Presidenciáveis dos EUA comentam discurso de Bush

Obama diz que fala foi requentada dos anos anteriores; McCain elogia medidas do presidente republicano

REUTERS

29 de janeiro de 2008 | 09h08

O presidente norte-americano, George W. Bush, fez na noite de segunda-feira o seu último discurso sobre o Estado da União, no qual apresentou ao Congresso suas metas para o final de seu mandato, pediu uma rápida aprovação do pacote de estímulo econômico e defendeu os avanços na segurança do Iraque. A seguir, as reações ao discurso dos seis principais pré-candidatos à Presidência dos Estados Unidos: DEMOCRATAS Hillary Clinton:  "O presidente Bush teve uma chance final nesta noite de reconhecer aquilo que o povo norte-americano há anos sabe: que a economia não está funcionando para famílias de classe média. Infelizmente, o que ele ofereceu foi mais do mesmo, um compromisso frustrante com as mesmas políticas fracassadas que ajudaram a transformar superávits recordes em grandes déficits, e a empurrar uma vibrante economia do século 21 para a beira da recessão." Barack Obama: "Foi requentado em relação a discursos anteriores do Estado da União. Conforme viajo pelo país, (vejo que) o povo norte-americano quer mais, muito mais. Está ansioso com seu futuro econômico. Está vendo (a hipoteca de) sua casa ser executada. Está vendo empregos se contraindo. Está preocupado em conseguir enviar seus filhos à faculdade. O que eles querem é liderança da Casa Branca." John Edwards: "O presidente esta noite renovou seu apelo por um plano de recuperação econômica. Mas o plano que ele e o Congresso ofereceram deixa de fora dezenas de milhões de norte-americanos que mais precisam de ajuda. Este plano levaria meses para ter qualquer impacto, e as pessoas que eu encontro todo dia na campanha não podem esperar meses. Essa gente está sofrendo agora e precisa desta ajuda agora." REPUBLICANOS John McCain: "Aplaudo os esforços do presidente para reduzir vinculações orçamentárias e sua influência sobre os gastos do governo federal. Vinculações orçamentárias e emendas fisiologistas roubam dólares valiosos dos contribuintes das prioridades nacionais, distorcem o processo orçamentário e tem levado a corrupção entre os parlamentares." Mitt Romney: "Vi um presidente que reconhece que Washington foi incapaz de lidar com muitos problemas que enfrentamos. E seja sobre a atual ameaça da Al Qaeda, ou a necessidade de reformar a Seguridade Social, ou a necessidade de finalmente dar segurança às nossas fronteiras e ter uma política de imigração que funcione, ali estava um presidente dizendo: 'Querem saber? Washington deveria resolver. Washington quebrou'." Mike Huckabee: "Aplaudo os esforços do presidente por um pacote de estímulo econômico (que é) um valioso primeiro passo. E espero que a liderança democrata no Congresso coopere com o presidente de forma responsável." (Compilado por JoAnne Allen)

Tudo o que sabemos sobre:
EUAELEICAOBUSH

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.