Presidente admite que China precisa melhorar direitos humanos

O presidente da China, Hu Jintao, admitiu na quarta-feira a jornalistas em Washington que "muita coisa ainda precisa ser feita" em seu país a respeito dos direitos humanos, embora tenha insistido que enormes progressos já ocorreram.

REUTERS

19 de janeiro de 2011 | 18h00

Hu fez o comentário ao ser questionado pela segunda vez sobre o tema na entrevista coletiva ao lado do presidente norte-americano Barack Obama. Pressionado, disse que a primeira pergunta foi ignorada por problemas técnicos e de tradução.

"A China sempre esteve comprometida com a proteção e promoção dos direitos humanos", disse ele, acrescentando que já discutiu o assunto francamente com Obama em várias ocasiões.

Disse ainda que a China valoriza a "universalidade dos direitos humanos" e está disposta a discutir o assunto com base no respeito mútuo e na não-interferência nos assuntos internos do país.

Em suas declarações iniciais no evento, Obama disse que os Estados Unidos apoiam um diálogo entre a China e representantes do líder tibetano, o Dalai Lama, e que Washington espera que Pequim respeite os direitos religiosos do povo do Tibete.

(Reportagem de Steve Holland)

Tudo o que sabemos sobre:
EUACHINADIREITOSHUMANOS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.