Preso de Guantánamo é libertado e mandado para a França

Departamento de Estado ainda deve confirmar a soltura do argelino Lakhdar Bumediene, detido há 7 anos

Agências internacionais,

15 de maio de 2009 | 15h12

As autoridades americanas liberaram nesta sexta-feira, 15, um dos detidos na prisão de Guantánamo que esteve no centro de uma disputa na Suprema Corte durante a qual prisioneiros receberam o direito de desafiar o confinamento, disse um funcionário do governo americano. O argelino Lakhdar Bumediene foi libertado e enviado para a França, onde é aguardado por familiares, segundo fontes que falaram sob anonimato.

 

Veja também:

Obama mantém tribunais militares de Guantánamo

lista Saiba mais sobre a prisão de Guantánamo

lista Conheça os métodos de interrogatório usados pela CIA

 

A soltura aconteceu no mesmo dia em que o presidente Barack Obama anunciou a retomada das comissões militares responsáveis pelo julgamento de suspeitos de terrorismo em Guantánamo, mas com novas reformas nas regras para preservar os direitos dos detidos. O Departamento de Estado deve anunciar formalmente a libertação de Boumediene ainda nesta sexta-feira. Em maio, a França confirmou que receberia um dos detentos da prisão americana.

 

O argelino passou quase sete anos em Guantánamo, acusado pelo governo Bush de planejar um ataque contra a embaixada dos EUA em Sarajevo com outras quatro pessoas. Boumediene foi absolvido de todas as acusações de terrorismo por um juiz federal americano. Em greve de fome desde dezembro de 2006, foi alimentado à força duas vezes por dia por meio de sonda gástrica. Sua mulher e suas filhas, de 9 e 13 anos, que se refugiaram na Argélia após a prisão, também serão recebidas na França.

Tudo o que sabemos sobre:
GuantánamoEUAFrança

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.