Presos 30 em protesto por morte de negro desamardo em NY

Reverendo Al Sharpton e manifestantes são detidos em protesto contra a decisão da justiça no caso Sean Bell

Reuters,

07 de maio de 2008 | 20h26

O ativista dos direitos civis e reverendo Al Sharpton e pelo menos outras 30 pessoas foram presas nesta quarta-feira, 30, por parar o tráfego em um protesto contra a soltura de um policial que deu 50 tiros contra um homem negro não armado no dia de seu casamento.  Veja também:Justiça inocenta policiais por morte de negro desarmado em NY Centenas de manifestantes atrapalharam o trânsito na hora do rush em Nova York, onde outras prisões são esperadas para uma campanha civil conclamada por Sharpton, que tem contato com a família do homem morto desde o assassinato, em novembro de 2006. No mês passado, um juiz estadual absolveu os dois detetives do homicídio culposo e um outro terceiro pelo envolvimento na morte de Sean Bell, de 23 anos. A decisão que foi duramente criticada pela comunidade negra de Nova York. Cerca de 30 pessoas se ajoelharam e rezaram do lado de fora de City Hall, bloqueando uma das ruas que levam a ponte do Brooklyn. "Nós estamos levando todos vocês presos for conduta indisciplinada", anunciou um policial antes de algemar várias pessoas, incluindo o reverendo Sharpton, a noiva de Bell e dois de seus colegas que sobreviveram aos tiros. Eles foram levados nos carros policiais com pouca ou nenhuma resistência. "Todos nós somos Sean Bell", gritavam os manifestantes. O Departamento de Justiça, as autoridades federais e o FBI estão revendo o caso e pode ser tomada alguma ação legal se os investigadores suspeitarem de alguma violação aos direitos civis. Há uma década, Sharpton organizou demonstrações similares após quatro policiais que haviam dado 41 tiros contra um africano - Amadou Diallo - serem absolvidos. Na ocasião, dezenas foram presos, incluindo o reverendo.

Tudo o que sabemos sobre:
Al SharptonprotestoSean BellEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.