Presos de Guantánamo podem ser soltos nos EUA

Secretrário de Justiça diz que análise sobre o destino de cada detido na prisão naval já começou

Reuters,

18 de março de 2009 | 20h26

Alguns presos confinados na prisão naval de Guantánamo, encravada em Cuba, podem ser soltos nos Estados Unidos, enquanto outros devem ser levados a julgamento pelo Judiciário norte-americano, disse o secretário de Justiça, Eric Holder, nesta quarta-feira, 18. Holder, indicado pelo presidente Barack Obama para supervisionar os esforços do governo para fechar a prisão militar de Guantánamo no prazo de um ano, disse que a análise sobre o destino de cada detento já começou.

 

Veja também:

linkRelatório detalha tortura em prisões da CIA

linkEUA tiram termo 'combatente inimigo' como motivo para prisão

linkSaiba mais sobre a base naval de Guantánamo lista

Cerca de 240 suspeitos de terrorismo, inclusive supostos planejadores dos atentados de 11 de setembro de 2001, estão na prisão - alguns deles há mais de sete anos, sem jamais terem recebido qualquer acusação formal, e no passado submetidos a métodos de interrogatórios qualificados por críticos como tortura.

O governo enfrenta intensa resistência política à ideia de que alguns presos sejam levados para os EUA. O EUA esperam transferir alguns deles para outros países, especialmente na Europa, e libertar outros.

"Para os que estão na segunda categoria, dos que podem ser libertados, há uma variedade de opções que temos. Entre elas a possibilidade de que poderíamos soltá-los neste país", afirmou.

Seria possivelmente o caso, segundo o secretário, de 17 muçulmanos chineses da etnia uigur, presos há cinco anos. Eles já poderiam ter sido soltos, mas Washington teme que sejam perseguidos se devolvidos à China, e nenhum país até agora se dispôs a recebê-los. "Estamos tentando arranjar lugares para eles", disse Holder sobre os uigures, cujos advogados pediram a Obama que eles sejam levados para os EUA.

 

Tudo o que sabemos sobre:
EUAGuantánamo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.