Quase 25% dos russos esperavam resposta mais dura contra Geórgia

Quase um quarto dos russos acredita queo presidente Dmitry Medvedev não foi enérgico o suficiente noconflito com a Geórgia em torno da Ossétia do Sul, mostrou umapesquisa divulgada na segunda-feira. Cerca de 37 por cento dos entrevistados afirmaram que apostura de Medvedev durante o embate havia sido adequada. Noentanto, 23 por cento defenderam que a resposta da Rússia fosse"mais dura e agressiva". A pesquisa, realizada pelo Centro Panrusso para a OpiniãoPública (VTsIOM), é a primeira a tratar da atuação dopresidente desde que ordenou a imensa operação militar navizinha Geórgia. Outros 28 por cento afirmaram não ter ouvido os comentáriosde Medvedev a respeito do conflito. Para 7 por cento, e eledeveria ter sido mais cauteloso, e 4 por cento disseram que eradifícil responder. "A maioria dos russos é favorável à presença militar",afirmou à Reuters Olga Kamenchuk, diretora de comunicações daVTsIOM. A divulgação dos resultados coincide com a promessa feitapelo presidente, na segunda-feira, de lançar uma "respostaesmagadora" no caso de qualquer cidadão russo vir a ser atacadono futuro. O motivo pelo qual tantas pessoas desejam uma resposta maisenérgica da parte do governo tem relação com as expectativascriadas durante os dois mandatos do hoje ex-presidente VladimirPutin, disse Kamenchuk. Segundo a especialista, Medvedev tentaria imitar seuantecessor. Atualmente, Putin ocupa o cargo de primeiro-ministro, masmuitos analistas acreditam que ele é o verdadeiro manda-chuvanos bastidores do poder. Pouco depois do começo do conflito, o premiê apareceu empúblico percorrendo uma área próxima da zona de guerra. Ali,reuniu-se com soldados feridos e com refugiados. Medvedev mobilizou as Forças Armadas russas para expulsarda Ossétia do Sul as forças georgianas, presentes ali paratentar garantir a retomada, pela Geórgia, do controle sobre aregião. Depois de rechaçar as forças georgianas, os russos, apesardas críticas feitas por potências ocidentais, bombardearamalvos na Geórgia e ingressaram em várias cidades do país. "Acho que um dos motivos para o resultado da pesquisa é ochamado 'efeito Putin'. Durante seus dois mandatos, ele (Putin)desempenhou o papel do cara durão. Medvedev, com o passar dotempo, dá declarações cada vez mais duras", afirmou a analista. "Ele está mais parecido com a imagem assumida pelopresidente anterior nos momentos de crise". A VTsIOM entrevistou 1.594 pessoas em 46 regiões da Rússia,entre os dias 10 e 13 de agosto, do ápice do conflito atéquarta-feira. A margem de erro é de 3,4 pontos percentuais. Outros detalhes da pesquisa divulgados no fim de semanamostraram que 54 por cento dos russos culpavam a Geórgia peloconflito e outros 22 por cento culpavam os EUA. Apenas 1 porcento considerou Medvedev responsável. (Por Conor Sweeney)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.