Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

'Racismo é um defeito de nascimento dos EUA', diz Rice

Descendentes de escravos 'não tiveram vantagens' desde fundação do país, diz secretária de Estado americana

Efe,

28 de março de 2008 | 14h52

A secretária de Estado americana, Condoleezza Rice, acredita que o país tem problemas em superar o racismo por um "defeito de nascimento" na criação nacional, que negou aos negros as mesmas oportunidades dos brancos. "Os afro-americanos foram parte da população fundadora" dos EUA, disse Rice, em entrevista publicada nesta sexta-feira, 28, no jornal The Washington Times.   Veja também: Condoleezza Rice viajará para o Oriente Médio na sexta-feira   "Os afro-americanos e os europeus vieram aqui e fundaram juntos este país, os europeus por escolha e os africanos acorrentados. Essa não é uma realidade muito agradável para nossa criação",acrescentou. Rice disse em reunião com repórteres e editores do jornal que como resultado dessa situação "os descendentes de escravos não tiveram vantagens desde o início" e disse crer que as conseqüências dessa situação ainda podem ser percebidas.   "Esse defeito de nascimento faz com que seja difícil enfrentá-lo (o racismo), difícil falar sobre isso e difícil para nos dar conta de que ainda tem relevância para quem somos hoje", destacou. A raça se transformou em um tema de destaque nas eleições deste ano, nas quais o senador democrata por Illinois Barack Obama deseja se transformar no primeiro presidente negro dos EUA.   Rice evitou falar das eleições, mas se aprofundou no tema das tensões raciais que ainda persistem, embora também tenha destacado que houve um "enorme progresso", permitindo que uma pessoa como ela seja a chefe da diplomacia americana.   "Não é fácil para os Estados Unidos lidar com a questão de raça", explicou Rice, afirmando que membros de sua família tiveram que enfrentar "terríveis humilhações". Durante sua extensa entrevista ao jornal americano, Rice se mostrou contrária a boicotar os Jogos Olímpicos na China em resposta à repressão no Tibete e o mal histórico do país na defesa dos direitos humanos.   A secretária indicou ainda que a melhor política é seguir trabalhando com Pequim para obter um avanço nessa frente. Rice afirmou que as principais prioridades do presidente George W. Bush, antes do fim de seu mandato, são solucionar o conflito entre Israel e Palestina, finalizar o desmantelamento nuclear da península norte-coreana e melhorar a situação no Iraque e Afeganistão.   Nesta sexta-feira, Rice iniciou uma nova viagem ao Oriente Médio, na qual visitará Israel e Jordânia para tentar levar um novo impulso ao processo de paz entre Israel e Palestina. Bush deve visitar a região em meados de maio por ocasião do 60.º aniversário da criação do Estado de Israel.

Tudo o que sabemos sobre:
RiceracismoEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.