Recriação da 4a Frota não amplia presença na A.Latina, dizem EUA

A polêmica recriação da Quarta Frotanaval dos Estados Unidos não implica uma elevação no número deembarcações ou mísseis norte-americanos na América Latina,disse na sexta-feira um porta-voz militar, contradizendo várioslíderes regionais. Os EUA reativaram a Quarta Frota após um hiato de 58 anos,mas isso significa apenas uma reestruturação operacional, nãofísica, dos recursos destinados à região, explicou à Reuters otenente Myers Vasquez, porta-voz da Marinha no Comando Sul. Vários governos sul-americanos, como o argentino, obrasileiro e o venezuelano, manifestaram recentementepreocupação com a recriação da frota e suas possíveisatividades. "Houve um mal-entendido. A Quarta Frota não é um barco, éum comando operacional que nos permite agora ter um lugar namesa diretamente com o comando da Marinha e discutir com asoutras frotas como distribuir recursos", disse Vasquez portelefone à Reuters, de Miami, na Flórida. Também na Flórida fica a sede do Comando Sul, encarregadodas relações militares dos EUA com a América Latina. (Reportagem de Adriana Garcia)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.