Reforma da saúde é crucial para a economia, diz Obama

Proposta do presidente dos EUA tem como objetivo proporcionar seguro de saúde a 50 mi de americanos

Efe,

08 de agosto de 2009 | 08h18

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, afirmou neste sábado, 8, que a reforma do sistema de saúde do país é crucial em um momento de recessão que parece ter cedido sua intensidade.

 

Nas últimas semanas o Governo divulgou uma série de indícios de melhora, entre eles uma recuperação do mercado acionário e um aumento na construção e venda de casas.

 

Esta semana o Departamento do Trabalho anunciou uma leve redução do desemprego em julho para 9,4% após chegar o mês anterior a 9,5%, o nível mais alto das últimas duas décadas.

 

Por outra parte, na sexta-feira, indicou que se reduziu a perda de fontes de emprego para 247 mil em julho, após ter chegado a 700 mil no início de ano.

 

"Os números sobre trabalho são um indício de que começamos a pôr um freio nesta recessão e que o pior passou", disse Obama em seu habitual discurso dos sábados.

 

"Mas devemos fazer mais para resgatar a nossa economia desta crise imediata", assinalando que "um pilar fundamental" é a reforma dos seguros de saúde, "uma reforma que estamos mais perto do que nunca de conseguir".

 

No entanto, o presidente reconheceu que os que desejam manter a situação atual do sistema de saúde "estão ficando cada vez mais ferozes em sua oposição".

 

A reforma proposta por Obama tem como objetivo proporcionar seguro de saúde a quase 50 milhões de americanos que carecem de cobertura médica e reestruturar um sistema que se tornou cada vez mais oneroso.

 

O presidente indicou que no final das contas a reforma se reduziu para escolher entre dois enfoques.

 

Obama disse que o primeiro quase garante que duplicará os custos da saúde, deixará sem seguro milhões de americanos e os que o têm serão vulneráveis às negativas arbitrárias de cobertura, causando a quebra dos Governos estaduais e federal.

 

O país pode continuar com essa situação "ou podemos escolher outra que protegerá o povo das práticas injustas das seguradoras, proporcionará seguro acessível e de qualidade a todos os americanos e reduzirá os custos crescentes que sufocam as famílias, as empresas e nossos orçamentos", disse.

Tudo o que sabemos sobre:
Barack ObamasaúdeEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.