Reforma não deve passar sem alterações, diz Nancy Pelosi

Presidente da Câmara dos Representantes afirma que é o momento dos democratas refletirem sobre o assunto

Associated Press,

21 de janeiro de 2010 | 16h24

A presidente da Câmara dos Representantes dos EUA disse nesta quinta-feira, 21, que não haverá votos o suficiente para que a reforma de saúde proposta pelo presidente Barack Obama seja aprovada, o que pode ser considerado como um baque para a atual administração que considerava essa a questão prioritária em termos domésticos.

 

"Em sua presente forma, sem alteração nenhuma, acho que não será possível passarmos a proposta do Senado na Câmara. Não vejo votos o suficiente para isso", disse a presidente da Câmara dos Representantes.

 

Nancy Pelosi fez a declaração após a reunião entre os senadores democratas, na qual os legisladores mostraram-me descontentes com a possibilidade de ter de fazer modificações no projeto.

 

Os parlamentares democratas tentaram conciliar as duas propostas - do Senado e da Câmara - para que fossem aprovadas em ambas as casas. Eles esperavam conseguir que as duas casas legislativas aprovassem novamente os projetos.

 

O plano, entretanto, foi minado pela inesperada vitória do senador republicano Scott Brown, eleito pelo Estado de Massachusetts para substituir o democrata Ted Kennedy. Com a nova cadeira em posse dos republicanos, os democratas podem não dispor mais dos 60 votos necessários para fazer passar o projeto de reforma no Senado.

 

Os democratas poderiam evitar mais uma votação no Senado fizessem com que a Câmara unisse sua proposta de reforma com a outra casa. Mas alguns deputados rejeitam a ideia e preferem um legislação mais branda e com mais concessões para conseguir votos dos republicanos.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAObamareformaSenado

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.