Reformas na saúde beneficiarão pequenas empresas, diz Obama

Presidente americano quer convencer parlamentares a apoiar pacote de U$ 1 bi, que será votado nesta semana

Reuters,

25 de julho de 2009 | 10h51

O presidente dos EUA, Barack Obama, disse neste sábado, 25, que o plano dos democratas para reformar o sistema de saúde do país beneficiaria as pequenas empresas, um argumento que rapidamente acarretou em críticas de seus adversários republicanos.

 

Obama tenta gerar mais apoio público para uma ampla revisão no sistema de saúde americano, já que as medidas irão para votação no Congresso nesta semana. As pesquisas, entretanto mostram que os americanos estão céticos a respeito do programa de US$ 1 bilhão (cerca de quase R$ 2 bilhões).

 

Um dos principais pivôs do debate acerca da saúde nos EUA são as pequenas empresas, responsáveis pela maior parte dos empregos no país. Os planos democratas precisaram que muitas empresas passem a dar seguros aos seus empregados ou serão multadas. Alguns donos de pequenas empresas temem que isso gere um custo excessivo em um momento que lutam para se recuperar da recessão que atinge principalmente o mercado americano.

 

Ao mesmo tempo, os republicanos afirmam que um imposto complementar para pessoas com alta renda poderia produzir fundos adicionais para pequenas empresas.

 

Obama utilizou seu programa de rádio semanal para insistir que a pequena empresa tem muito a ganhar com as reformas no sistema de saúde, baseando-se em um comunicado do Comitê de Assessores Econômicos da Casa Branca. Segundo o presidente, as pequenas empresas poderiam ser capazes de adquirir um plano de saúde "mediante um intercâmbio de seguros".

 

Obama descreveu esse intercâmbio como "um mercado onde podem compara o preço, qualidade e serviços de uma ampla variedade de planos, muitos dos quais apresentarão a melhor cobertura aos menores preços".

 

"As pequenas empresas que escolherão dar seguros aos seus empregados também receberão um crédito para ajudar a pagá-los. Se uma pequena empresa escolher não dar a cobertura, seus empregados poderão adquirir um plano por conta própria mediante o intercâmbio de seguros", disse Obama. Já os trabalhadores de baixa renda, segundo o presidente, poderão postular um subsídio para ajudar nos gastos com os planos.

 

A representante Cathy McMorris Rodgers, representante da oposição, afirmou em resposta a Obama que acha que as pequenas empresas pagarão um preço muito alto pelos planos dos democratas.

 

"É certo que o plano dos democratas é financiado pelo dinheiro dos contribuintes, mas os empregos estão desaparecendo. Perdemos mais de 3 milhões de empregos desde o começo do ano, e os americanos têm todo o direito de questionar onde estão esses empregos", disse Cathy.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.