Pablo Martinez Monsivais/AP
Pablo Martinez Monsivais/AP

Reino Unido vai revisar documentos sobre libertação de terrorista de Lockerbie

Em visita a Obama, Cameron descarta investigação sobre soltura de militante líbio

estadão.com.br

20 de julho de 2010 | 17h34

O primeiro-ministro britânico, David Cameron, disse nesta terça-feira, 20, que pedirá uma revisão dos documentos sobre a libertação do terrorista líbio Abdel Baset al-Megrahi, condenado pelo atentado de Lockerbie, em 1988, quando 270 pessoas morreram em um ataque a um avião da Pan Am. O militante foi libertado no ano passado pelo governo escocês e atualmente vive na Líbia.

Veja também:

link Obama e Cameron elogiam prazo de retirada no Afeganistão

"Pedirei ao chefe de gabinete que revise os documentos sobre o caso e veja se é necessário publicar algo mais sobre a decisão", disse Cameron durante encontro na Casa Branca com o presidente americano, Barack Obama, em sua primeira vista aos EUA depois de assumir o cargo.

O premiê britânico, no entanto, descartou instaurar uma investigação sobre o caso. "Não há necessidade disto porque sabemos que foi uma decisão ruim", disse.

Obama, por sua vez, disse ser bem-vinda qualquer informação adicional sobre a libertação de al-Megrahi e criticou a decisão, a qual qualificou como 'decisão ruim'.

O terrorista, condenado à prisão perpétua, cumpriu oito anos de pena antes de ser libertado por motivos de saúde.

Irã

Os dois líderes abordaram também o impasse nuclear iraniano, o conflito no Oriente Médio, o vazamento de óleo da BP no Golfo do México e a recuperação econômica mundial.

Sobre a questão nuclear, os dois líderes voltaram a criticar o regime de Teerã. Segundo Obama, desafiar as sanções resultará num isolamento maior do país persa.

Com informações da Efe  e da Associated Press

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.