Republicano Cain abandona disputa pela presidência dos EUA

O candidato republicano à presidência dos Estados Unidos, Herman Cain, encerrou oficialmente neste sábado sua corrida rumo à Casa Branca em 2012, dizendo que acusações sexuais "falsas e não provadas" tornaram impossível para ele manter uma campanha com credibilidade.

DAVID BEASLEY, REUTERS

03 de dezembro de 2011 | 18h25

Os partidários conservadores de Cain agora terão que encontrar um novo lar, e as votações começam no mês que vem, para determinar quem será o candidato republicano na corrida presidencial de 2012.

A desistência de Cain dá um formato mais claro à corrida republicana, com um confronto entre o ex-governador de Massachussetts Mitt Romney e o rival Newt Gingrich.

Ex-presidente da Godfather's Pizza, Cain disse em sua cidade natal, Atlanta, que estava desistindo da corrida rumo à Casa Branca depois de uma conversa com sua esposa, Gloria, que apareceu ao seu lado, sorrindo o tempo todo.

Cain disse que uma "nuvem de dúvida" havia se formado sobre a campanha. Ele insistiu que as acusações de que ele havia assediado sexualmente várias mulheres e que teve um caso de 13 anos com uma executiva de Atlanta eram simplesmente mentirosas.

"Estou suspendendo a minha campanha por causa das constantes distrações e mágoas," disse o político de 65 anos. Ele disse que apoiará um rival republicano.

Todas as provas indicavam que a campanha enfrentaria fortes problemas financeiros e de credibilidade, mesmo que Cain resolvesse continuar.

Depois de pular para a primeira posição nas pesquisas há dois meses, Cain estava em queda livre no mês passado e o seu apoio em Iowa, onde acontecerá a primeira votação para a nomeação do candidato à presidência, no dia 3 de janeiro, é hoje de 8 por cento.

Cain disse que cometeu erros, mas não desenvolveu o assunto. Sua campanha também sofreu por diversos tropeços, que incluíam uma longa pausa quando ele tentou responder a uma pergunta de rotina, sobre a Líbia.

"Cometi erros tanto profissionalmente quanto pessoalmente, como candidato, na administração da minha campanha. Eu me responsabilizo pelos erros que cometi. E fui o primeiro a admitir todos os erros que cometi," disse Cain.

Tudo o que sabemos sobre:
EUACAINSUSPENDE*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.