AP
AP

Republicano que insultou Obama arrecada US$ 200 mil em 1 dia

Joe Wilson busca US$ 1 milhão para campanha eleitoral no Congresso; ele gritou 'você mente!' para presidente

Efe,

11 de setembro de 2009 | 20h13

O congressista republicano que gritou "Você mente!" quando o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, pronunciava um discurso sobre a reforma da saúde no Congresso arrecadou mais de US$ 200 mil para sua campanha eleitoral desde o episódio. Assim informou o escritório do próprio congressista, Joe Wilson (Carolina do Sul), que gravou um vídeo na internet para pedir contribuições a seus eleitores e chegar a US$ 1 milhão.

 

No vídeo, Wilson assegura que mantém sua oposição à reforma do sistema de saúde que propõem os democratas. "Os simpatizantes do controle governamental no sistema sanitário e os liberais que querem que os imigrantes ilegais recebam cuidados de saúde estão usando minha oposição como uma desculpa para distrair das perguntas críticas acerca deste plano tão precário", sustenta o legislador.

 

Mas se Wilson arrecadou mais de US$ 200 mil, seu rival nas eleições, o democrata Rob Miller, obteve mais de US$ 750 mil desde que o congressista gritou para Obama, segundo revelou seu partido. Wilson se viu obrigado a pedir desculpas à Casa Branca após interromper com seu grito Obama quando o presidente, em seu discurso perante o Congresso na noite da quarta-feira, assegurava que os imigrantes ilegais não poderiam se beneficiar da reforma sanitária.

 

Nas eleições do ano passado, Wilson venceu Miller por uma margem de oito pontos percentuais, o mais reduzido de sua carreira como congressista. Uma pesquisa divulgada nesta sexta-feira, 12, pela empresa Public Policy Polling - democrata - assegura que após o grito, Wilson está atrás de Miller nas intenções de voto e conta com 43%, contra 44% de seu rival. Sempre segundo esta pesquisa, 62% dos eleitores reprovam Wilson por seu insulto, enquanto apenas 29% o aprovam.

Tudo o que sabemos sobre:
Barack ObamaEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.