Republicano Thompson cresce nas pesquisas para eleição de 2008

Após muita demora em formalizar suapré-candidatura a presidente dos Estados Unidos, o republicanoFred Thompson subiu nas pesquisas e quase empatou com ofavorito Rudolph Giuliani, segundo duas pesquisas divulgadas naterça-feira. Thompson, ator de Hollywood e ex-senador pelo Tennessee,está tecnicamente empatado com Giuliani (29-28 por cento) nanova pesquisa CNN, que no mês passado dava sete pontospercentuais de vantagem ao ex-prefeito de Nova York. Na pesquisa CBS/New York Times, a vantagem de Giulianisobre Thompson passou em um mês de 20 para 5 pontos (Giulianitinha 38 por cento e caiu para 27, enquanto seu adversáriochegou a 22). Thompson formalizou a candidatura na semana passada,fazendo 24 horas seguidas de campanha, que incluiu um anúncionacional de TV, um vídeo num site e uma visita a Iowa, um dosprimeiros Estados que realizam a escolha dos candidatos. O ex-astro da série "Law and Order" se apresenta como umconservador, nos moldes do ex-presidente Ronald Reagan. Eleespera aproveitar a insatisfação do eleitorado conservadorrepublicano. Thompson formou um comitê no começo de junho no Tennesseepara sondar o terreno, e mesmo antes de entrar de vez nadisputa já havia superado o senador John McCain e oex-governador de Massachusetts Mitt Romney nas pesquisasnacionais. Na pesquisa CNN, McCain aparece virtualmente estável, com15 por cento das intenções. Já na pesquisa CBS/New York Timesele subiu de 12 para 18 por cento. Em ambos os levantamentos,Romney fica virtualmente estável, em quarto lugar. As duas pesquisas têm margem de erro de três pontospercentuais. Romney lidera entre os republicanos nos Estados de Iowa eNew Hampshire, que são importantes por estarem no início docalendário. Analistas recomendam cautela com as pesquisasnacionais, especialmente a esta altura, quando os resultadosrefletem basicamente o reconhecimento de cada nome. Thompson é muito conhecido por ter sido ator. Aformalização da candidatura foi várias vezes adiada devido amudanças na sua assessoria, questionamentos sobre seu trabalhocomo lobista e fraqueza na arrecadação de verbas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.