Republicanos dos EUA investigam se Venezuela apóia terrorismo

Vários parlamentares republicanosdos Estados Unidos estão investigando se a Venezuela pode serqualificada por Washington como um Estado patrocinador doterrorismo, a exemplo do que já ocorre com Irã, Cuba, Coréia doNorte e Síria. Um grupo de 21 deputados quer aprovar uma resolução quecondena "atos e declarações" do presidente venezuelano, HugoChávez. Esses parlamentares também querem que o governo deGeorge W. Bush investigue as ligações de Chávez com o Irã e coma guerrilha colombiana Forças Armadas Revolucionárias daColômbia (Farc), considerada terrorista pelos EUA. "A Câmara dos Deputados pede aos Estados Unidos queinvestigue até que ponto a Venezuela pode ser apontada comosantuário para terroristas", disse o projeto de resolução,divulgado na quarta-feira. O documento define santuário como "uma área em um país queé utilizada por organizações terroristas sob um governo queexpressamente permite, conhece e tolera isso". Chávez vem defendendo as Farc, sugerindo que o grupo sejatratado como "insurgente" em vez de "terrorista". Além disso,estreitou os laços políticos e comerciais com o Irã, o quepreocupa os parlamentares norte-americanos. A resolução ainda precisa ser submetida a votação noplenário da Câmara, onde os republicanos são minoria. Em uma reunião com empresários argentinos, Chávez reagiu àiniciativa reiterando que o governo Bush deveria ser o primeirona lista de Estados patrocinadores do terrorismo. "O primeiropaís que têm de colocar na lista dos que apóiam o terrorismo éos Estados Unidos..., e o primeiro na lista de pessoas é GeorgeW. Bush. O senhor, cavalheiro, anote-se aí como primeirinho nalista dos terroristas do mundo. Auto-inclua-se." Chávez acusa a Casa Branca de "hipócrita" por condenar oterrorismo enquanto dá proteções ao militante anticomunistacubano Luis Posada Carriles, cuja extradição é solicitada porCaracas e Havana devido a um atentado que explodiu um aviãocubano em 1976. (Reportagem de Susan Cornwell e Fabián Andrés Cambero emCaracas)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.