Resgate enfrenta dificuldades em ponte nos EUA

Equipes de resgate continuavamretirando corpos do rio Mississippi na quinta-feira, numtrabalho que segundo as autoridades será lento e perigoso,depois do mais grave desabamento de ponte nos Estados Unidos emmais de 20 anos. Dois barcos circulavam devagar em torno dos escombros,enquanto mergulhadores procuravam mais vítimas do colapso daponte, que tinha 40 anos, e que desabou na hora do rush emMinneapolis, no fim da tarde de quarta-feira. O número de mortos confirmados é de quatro, mas asautoridades afirmaram que certamente haverá mais vítimas, jáque muitos veículos mergulharam no rio. Não há explicação ainda para o desabamento. "Não devia serpossível uma ponte nos Estados Unidos simplesmente cair", dissea senadora Amy Klobuchar, democrata de Minnesota. Mais de 50 veículos despencaram de uma altura de 20 metros.Pelo menos 60 pessoas ficaram feridas, muitas com fraturas. O governo rapidamente descartou a hipótese de terrorismo,mas autoridades de segurança federais e estaduais afirmaram queo registro de inspeções da ponte não indicava que houvessealgum perigo. Algumas obras estavam sendo realizadas na muretade proteção e na iluminação da ponte. "O que causou essa tragédia inacreditável, quaseincompreensível?", perguntou o senador republicano NormColeman. "Precisamos entender para nos assegurar de que essetipo de tragédia não aconteça nunca mais." O chefe de polícia de Minneapolis, Tim Dolan, disse quevários corpos foram retirados na quinta-feira, mas não deunúmeros oficiais. "Ainda é um local extremamente perigoso",disse ele. "São cenas horríveis, mas dentro de cada uma dessas cenashá uma história", disse o prefeito de Minneapolis, R. T. Rybak."O carro que vemos pendurado nos destroços é o primo, o irmãoou o marido de alguém." O presidente do Conselho Nacional de Segurança noTransporte, Mark Rosenker, afirmou que os investigadorespretendem reconstruir a ponte pedaço por pedaço, em outrolugar, para determinar o que aconteceu. A ponte tinha passado por inspeções nos últimos dois anos,disse o governador de Minnesota, Tim Pawlenty, embora estivesseentre as milhares de pontes no país consideradas "de estruturadeficiente" por um levantamento feito pelo governo dos EUA em2005. "Isso não era uma indicação de que a ponte não erasegura", observou a secretária dos Transportes, Mary Peters, nolocal do desabamento. Ela disse que é a primeira vez desde 1983 que uma pontedesaba sem um motivo externo, como um terremoto ou uma colisão. O governo federal prometeu 5 milhões de dólares para ostrabalhos iniciais de limpeza da área. "Nós do governo federaltemos de responder e responder de forma robusta para ajudar aspessoas de lá não só a se recuperar, mas a garantir que aquelalinha vital de atividade, aquela ponte, seja reerguida o maisrápido possível", afirmou o presidente George W. Bush numa notaoficial. (Reportagem adicional de Benno Groeneveld em Minneapolis,David Morgan e Doina Chiacu em Washington e Carey Gillam emKansas City)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.