Resgate retira 5a vítima de destroços de ponte nos EUA

O número de mortos na queda de umaponte nos EUA elevou-se para ao menos cinco e deve subir aindamais à medida que os mergulhadores vasculham as águas barrentasdo rio Mississippi em busca de vítimas, afirmaram autoridadesna sexta-feira. As equipes de resgate gastaram um dia inteiro para retirara quinta vítima fatal de debaixo dos escombros, afirmou o chefedo Departamento de Bombeiros de Minneapolis, Jim Clack. SegundoClack, uma outra vítima morreu em um hospital. O médico-legistaresponsável pela área, no entanto, não confirmou nenhuma dasduas mortes. "Precisamos de 20 pessoas e gastamos um dia inteiro pararetirar um corpo. Há toneladas de destroços", afirmou Clack. Enquanto os investigadores avaliavam a causa do colapso, ogovernador do Estado de Minnesota, Tim Pawlenty, disse terhavido "sinais de alerta" a respeito de problemas com a ponte,construída 40 anos atrás. Um jornal da região informou que planos para reforçar aestrutura dela tinham sido adiados em nome da realização deoutros concertos. Enquanto isso, mergulhadores retomavam as buscas peloscarros que despencaram mais de 20 metros, caindo dentro do rioMississippi, quando a ponte da estrada Interstate 35W ruiu, nahora do rush da tarde de quarta-feira. "As condições de trabalho no rio estão piores hoje do queontem. Hoje, seremos vagarosos e metódicos em nossas operaçõesde busca", afirmou Rich Stanek, delegado do condado deHennepin. Horas antes, Stanek tinha afirmado que oito pessoascontinuavam desaparecidas. Mas esse número pode ser maior. Os mergulhadores enfrentavam a correnteza veloz do rio e,dentro da água barrenta, tinham de tatear por entre o metalretorcido e os pedaços de concreto. No total, 14 mergulhadores participam das operações deverificação de "alvos" correnteza abaixo a partir da ponte daInterstate 35W, disse Stanek. Vários desses "alvos" seriamveículos submersos. O delegado não soube dizer se os carroscontinham ou não vítimas. Segundo os investigadores, levaria algum tempo até serpossível determinar a causa do colapso. O jornal Minneapolis Star-Tribune informou que oDepartamento de Transporte da cidade havia debatido sobre comoreforçar a armação enferrujada da ponte, considerada"estruturalmente deficiente" por técnicos do governo federal.Essa foi uma das dezenas de milhares de pontes dos EUAavaliadas dessa forma. O Departamento de Transporte havia decidido soldar placasde metal nas áreas das vigas de sustentação em que os técnicosidentificaram problemas. Mas adiou-se essa obra enquanto outrosreparos, como o recapeamento da ponte, eram realizados, afirmouo jornal. "Essa ponte vem sendo inspecionada desde 1990", dissePawlenty ao canal de TV CNN. "Houve sinais de alerta sobre aexistência de problemas com essa ponte. Mas ninguém chegou aafirmar que um colapso era iminente ou que ela deveria serfechada." (Reportagem adicional de Doina Chiacu em Washington)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.