Rice pressiona Congresso por tratados comerciais com Am.Latina

O Congresso dos EUA daria um "grandegolpe" contra o Peru, o Panamá e a Colômbia, além de prejudicaros interesses norte-americanos na América Latina, caso nãoaprove os tratados de livre-comércio com esses três países,disse na terça-feira a secretária de Estado, Condoleezza Rice. "Isso passaria para toda a região uma mensagem em alto ebom som de que os Estados Unidos não merecem confiança no quediz respeito a manter suas promessas", afirmou Rice em discursona Organização dos Estados Americanos (OEA). A Casa Branca está empenhada em aprovar os tratadoscomerciais. O Congresso deve aprovar o tratado com o Peru naspróximas semanas, mas os outros dois enfrentam obstáculossignificativos. "O fracasso em concluir esses acordos seria um grande golpecontra esses três países, dos quais ninguém pode pressupor quehaveria uma fácil recuperação", declarou Rice. Seria um recadoerrado também "para os inimigos da democracia no nossohemisfério", disse ela, numa aparente alusão ao presidente daVenezuela, Hugo Chávez. Rice pediu ao Congresso que se ocupe do tratado com aColômbia depois de concluir o do Peru, e que aprove ambos antesque expirem os atuais benefícios comerciais para a regiãoandina, em fevereiro. Grupos trabalhistas dos EUA se opõem ao acordo com aColômbia, que segundo eles é o país mais perigoso do mundo parasindicalistas. Eles acusam o governo do presidente da Colômbia,Álvaro Uribe, de permitir a impunidade para os assassinos decentenas de sindicalistas. Em junho, a presidente da Câmara, Nancy Pelosi, e outroslíderes democratas afirmaram que só dariam apoio ao acordo coma Colômbia se houvesse "provas concretas" de que há um esforçocontra a violência e a impunidade naquele país. Rice argumentou que, sob o governo de Uribe, a Colômbiadeixou de ser um Estado "devastado pelo narcoterrorismo" epelas milícias, e que isso por si só já é um grande avanço naquestão dos direitos humanos. "Acho que basta olhar o histórico do que a Colômbia fez.Ela era praticamente um Estado falido em 2000, 2001," disseRice posteriormente a jornalistas. "Não sei neste estágio emparticular quantas provas mais são necessárias de que há umgoverno democrático comprometido." Rice declarou que os três acordos são parte de esforçosbipartidários e de longo prazo dos EUA para promover ademocracia e a prosperidade na América Latina, e alertou que anão aprovação vai reduzir a influência dos EUA na região. O presidente George W. Bush deve insistir na aprovação dosacordos na sexta-feira, durante discurso em Miami. No próximofim de semana, o secretário de Comércio, Carlos Gutierrez,embarca para a Colômbia, à frente de uma segunda delegaçãoparlamentar norte-americana, na esperança de ampliar o apoio aotratado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.