Rice promete mais pressão dos EUA sobre o Irã em 2008

Os Estados Unidos estão abertos aodiálogo e a melhores relações com o Irã, mas não vão desistirde que Teerã abandone seu programa de enriquecimento de urânio,disse na sexta-feira a secretária de Estado Condoleezza Rice. Em entrevista coletiva na qual fez um balanço do ano, elapediu à República Islâmica que "escolha a cooperação, não oconfronto". Washington suspeita que o Irã tenha intenção de desenvolverarmas nucleares, o que Teerã nega. "Vamos continuar [em 2008] ampliando a pressão por trás danossa diplomacia", disse Rice, referindo-se a uma possívelterceira rodada de sanções da Organização das Nações Unidas(ONU) ao Irã. Um relatório de inteligência dos EUA divulgado neste mêsafirmou que nos últimos anos o Irã não desenvolve armasatômicas, mas Rice disse que nem por isso o fim doenriquecimento de urânio deve deixar de ser uma pré-condiçãopara o diálogo. "Continua a dizer que, se o Irã vai fazer só uma coisa detudo o lhe exigirem as resoluções do Conselho de Segurança queforam aprovadas, ou seja, suspender as atividades deenriquecimento e reprocessamento, então estou preparada paraencontrar meu homólogo em qualquer lugar e momento, e podemosconversar sobre qualquer coisa", afirmou Rice. De acordo com ela, a nova estimativa de inteligêncianacional reforça a necessidade de pressão sobre o Irã. MasChina e Rússia, que têm poder de veto na ONU, se opõem a novassanções. "Estamos agora negociando, e acredito que vamosresolver no ano que vem uma terceira resolução com sanções",afirmou Rice. Na quinta-feira, porém, uma reunião das principaispotências envolvidas não chegou a um acordo sobre os termos daeventual resolução, e Rice admitiu que "diferenças táticas"permanecem.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.