Robert Gates viaja ao Iraque para transferir comando da guerra

O secretário de Defesa dos EstadosUnidos, Robert Gates, voou a Bagdá na segunda-feira, parapassar o comando da guerra no Iraque a um novo general, cujaresponsabilidade será manter a segurança enquanto a quantidadede militares norte-americanos no país diminui. Gates, que faz a oitava visita ao Iraque desde que assumiuo Pentágono, em dezembro de 2006, disse que o número de áreasem que as forças dos EUA aturão será cada vez menor. As forças iraquianas lideraram todas as grandes operaçõesde segurança nos últimos meses. O Exército norte-americanotambém deve transferir o controle da segurança em mais duasprovíncias neste ano, deixando os iraquianos no comando de 13das 18 regiões do país. Na terça-feira, Gates vai presidir a cerimônia detransferência de comando das forças lideradas pelos EstadosUnidos. O tenente-general Ray Odierno assume o posto do generalDavid Petraeus, cujo mandato foi marcado pela chegada de 30 miltropas extras e pela forte queda na violência. Mesmo assim, as preocupações com segurança continuam. Doiscarros-bomba explodiram um logo após o outro no distrito deKarrada, em Bagdá, matando 12 pessoas e ferindo 34, segundo apolícia. "Acho que o desafio do general Odierno é: como trabalharcom os iraquianos para preservar os ganhos já atingidos eexpandi-los, mesmo com o número decrescente de militaresnorte-americanos?", disse Gates a repórteres, no avião. Odierno, que serviu como segundo comandante no Iraque por15 meses, até fevereiro, será promovido a general naterça-feira. O presidente norte-americano, George W. Bush, anunciou nasemana passada que 8 mil norte-americanos serão retirados doIraque até o começo do ano que vem. Sobrarão 138 mil no país. Muitos dos soldados escolhidos para substituir os quedeixam o Iraque vão agora para o Afeganistão, onde a violênciacresceu dramaticamente nos últimos dois anos. Criticado pelos primeiros anos da guerra do Iraque, Bushordenou mudanças no fim de 2006 e no começo de 2007, quandoDonald Rumsfeld foi substituído no Pentágono e Petraeus, quesabe lidar com a mídia, foi escolhido o novo comandante daguerra. Desde então, a violência no Iraque caiu para o menor nívelem mais de quatro anos, mas a administração ainda é cautelosano corte de tropas. A decisão sobre uma grande retirada serádeixada para o próximo presidente do Estados Unidos, que tomaposse em janeiro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.