Romney promete que Igreja Mórmon não comandará Casa Branca

O pré-candidatorepublicano à Presidência dos EUA Mitt Romney prometeu naquinta-feira que a Igreja Mórmon não vai comandar a Casa Brancacaso ele seja eleito, em um esforço para tranquilizar osnorte-americanos sobre sua religião. Tentando conter uma queda nas pesquisas em Iowa, onde oex-governador do Arkansas Mike Huckabee, que é pregadorbatista, começou a crescer, Romney fez um apaixonado apelo paraque os eleitores deixem de lado a desconfiança em relação à suareligião. "Deixe-me assegurar a vocês que nenhuma autoridade da minhaIgreja ou de qualquer outra Igreja vai exercer influência nasdecisões presidenciais. A autoridade deles é deles, dentro docampo de assuntos eclesiásticos, e acaba onde os assuntos danação começam", disse Romney em um pronunciamento na bibliotecado ex-presidente George H. Bush em College Station, no Texas. O local foi escolhido em parte por sua proximidade emrelação a Houston, onde o então candidato democrata JohnKennedy falou aos norte-americanos sobre o fato de sercatólico, em 1960. Se eleito, Romney, ex-governador de Massachusetts, será oprimeiro presidente mórmon dos EUA, assim como Kennedy foi oprimeiro católico. Assim, o republicano tenta se apresentarcomo alguém nos mesmos moldes de Kennedy. "Assim como ele, sou um norte-americano disputando aPresidência. Não defino minha candidatura pela religião. Umapessoa não deve ser eleita por causa da sua fé, nem deve serrejeitada por causa da sua fé", disse Romney. Mas ele afirmou que não dará as costas à sua fé, comogostariam alguns. "Isso eu não farei. Acredito na minha fémórmon e me esforço por viver de acordo com ela", afirmou. "Alguns acreditam que tal confissão da minha fé vai afundarminha candidatura. Se eles estiverem certos, que assim seja." REAÇÃO Parte dos norte-americanos encara a religião mórmon comceticismo, e a Igreja --que tem cerca de 6 milhões de membrosnos Estados Unidos-- passou anos tentando derrubar as críticasde que seria um culto ou uma ameaça ao cristianismo. A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, seunome oficial, sustenta que Deus fala à humanidade por meio deapóstolos e profetas vivos, como o atual presidente da Igreja,Gordon Hinckley. Os mórmons rejeitam o conceito de que Deus,Jesus Cristo e o Espírito Santo são um único ser e ensinam queDeus tem um corpo de carne glorificado. Romney, que vinha sendo pressionado por líderes batistas dosul do país a fazer o pronunciamento, procurou tranquilizar oscristão evangélicos sobre sua fé, dizendo que acredita queJesus Cristo é o filho de Deus e salvador da humanidade. Masreconheceu que existem algumas diferenças. "As crenças da minha Igreja sobre Cristo podem não serexatamente as mesmas de outras fés", disse Romney. "Cadareligião tem suas próprias doutrinas e história." Alguns líderes evangélicos ficaram impressionados com odiscurso do presidenciável. O reverendo Rob Schenk, presidente do Centro Nacional doMinistério, em Washington, que é neutro na corridapresidencial, classificou como "um dos melhores discursospolíticos sobre o tema que jamais feitos". "Como um evangélico, acredito que ele avançou um bomcaminho no sentido de aliviar as preocupações que osevangélicos têm sobre um presidente mórmon, e creio que isso éuma coisa boa", disse Schenk, que compareceu ao pronunciamentojunto com vários outros líderes religiosos. Matthew Wilson, cientista político da UniversidadeMetodista do Sul, em Dallas, afirmou que foi um "discurso muitopoderoso". Ele acrescentou, porém, duvidar que o pronunciamento"vá mudar o ceticismo teológico de qualquer pessoa sobre aIgreja Mórmon". Welton Gaddy, presidente da Aliança Interfé, avaliou,porém, que Romney deveria ter enfatizado que protegeria osdireitos daqueles que não têm religião ou que se opõem aqualquer tipo de religião. Uma pesquisa recente do Centro de Pesquisas Pew mostrou quea maioria dos norte-americanos encara a fé mórmon como umareligião cristã, mas um em cada quatro entrevistados afirmouque teria menos propensão a votar num presidenciável mórmon. A candidatura de Romney --ou de qualquer pré-candidato--depende muito da vitória na convenção partidária de Iowa, aprimeira do país, no próximo dia 3. Ele investiu milhões dedólares para abrir vantagem nesse Estado, mas a liderançaevaporou nas últimas semanas, em parte graças ao apoioevangélico a Huckabee. (Reportagem adicional de Ed Stoddard, em Dallas)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.