Jim Cole/AP
Jim Cole/AP

Romney se sairia melhor que Gingrich contra Obama

Newt Gingrich tem 10 pontos percentuais de vantagem na disputa pela indicação do Partido Republicano

ANDY SULLIVAN, REUTERS

14 de dezembro de 2011 | 09h02

WASHINGTON - Newt Gingrich tem 10 pontos percentuais de vantagem na disputa pela indicação do Partido Republicano à presidência dos EUA, mas seu adversário Mitt Romney apresenta um melhor desempenho contra o presidente Barack Obama na simulação da eleição geral, segundo uma nova pesquisa Reuters/Ipsos.

A menos de três semanas do início da disputa partidária, em Iowa, Gingrich tem 28 por cento das intenções de voto dos republicanos em nível nacional, contra 18 por cento de Romney.

Mas, na opinião de 51 por cento, o democrata Obama venceria Gingrich, enquanto 38 por cento consideram o contrário. Já na simulação com Romney o favoritismo de Obama fica em 48-40 por cento.

Segundo outras pesquisas, Gingrich assumiu nas últimas semanas a liderança da disputa republicana, atraindo principalmente os eleitores mais conservadores, para os quais Romney é moderado demais. Mas analistas dizem que a escolha de Gingrich representaria um risco para os republicanos.

O ex-presidente da Câmara tem um longo histórico de declarações provocativas, que podem afastar eleitores independentes. Foi o que aconteceu recentemente quando ele se referiu aos palestinos como um povo "inventado".

"Esse é o dilema republicano", disse Calvin Jillson, professor de Ciência Política na Universidade Metodista do Sul. "Quero me satisfazer votando em Gingrich (...), ou quero olhar para a eleição geral e ver uma disputa possível de vencer?"

A campanha de Obama passou meses voltando suas baterias contra Romney, mas nesta semana começou a dirigir ataques também contra Gingrich.

A nova pesquisa mostra o deputado Ron Paul e o governador do Texas, Rick Perry, empatados em terceiro lugar, com 12 por cento, à frente da deputada Michele Bachmann, com 10, do ex-governador de Utah John Huntsman, com 5, e do ex-senador Rick Santorum, com 4 por cento. Outros 4 por cento escolhem outro ou nenhum candidato.

A pesquisa, feita entre os dias 8 e 12, mostra uma notável recuperação de Gingrich, que em junho - quando sua campanha enfrentava problemas internos - marcou apenas 6 por cento.

Obama também aparece em melhores condições, refletindo a melhora no cenário econômico e as trocas de ataques entre os republicanos nos seus debates.

Na pesquisa Reuters/Ipsos feita entre 31 de outubro e 3 de novembro, Obama aparecia um ponto percentual atrás de Romney.

Mas seu índice de aprovação, de 47 por cento, é praticamente idêntico ao do começo do ano.

Em geral, o clima nos EUA é de pessimismo. Só 27 por cento dizem que o país vai na direção correta, e 69 por cento acham o contrário.

A pesquisa ouviu por telefone 1.102 adultos, sendo 443 eleitores registrados como republicanos. A margem de erro é de 3 pontos percentuais para o eleitorado em geral, e de 4,7 pontos para a amostra dos republicanos.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAPESQUISA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.