Rússia diz que EUA estimularam conflito ao apoiar Geórgia

A "carta branca" dada pelosEstados Unidos aos líderes da Geórgia ajudou a provocar oconflito na região e, agora, este apoio deve ser diminuído,disse o presidente da Rússia, Dmitry Medvedev, na terça-feira. Mas as críticas de Medvedev foram mais suaves do que oscomentários do primeiro-ministro Vladmir Putin, que acusouWashington de orquestrar a violência na Geórgia para beneficiaro candidato republicano na corrida à Casa Branca. O vice-presidente dos Estados Unidos, Dick Cheney, vaivisitar a Geórgia e mais duas ex-repúblicas soviéticas nestasemana, para reforçar o apoio de Washington aos aliados doquintal da Rússia. "Os Estados Unidos da América ajudaram ativamente a Geórgiaa delimitar essa política militar, enchendo-a de dinheiro earmas", disse Medvedev em uma entrevista à rede italiana RAI,gravada em sua residência de verão no Mar Negro. "Infelizmente, em um determinado ponto, eles deram ao(presidente da Geórgia, Mikheil) Saakashvili carta branca paraquaisquer ações, incluindo as militares. Tudo isso setransformou em agressão." "Isto é muito triste e eu acho que nossos parceirosnorte-americanos devem reavaliar suas relações com o regimeatual pelo simples motivo de que ele (Saakashvili) colocou aGeórgia numa situação muito complicada", disse Medvedev. O Kremlin despertou a condenação ocidental por ter mandadotropas e tanques para a Geórgia, além de reconhecer duasregiões separatistas georgianas, Ossétia do Sul e Abkházia,como Estados independentes. A Rússia disse que foi forçada a prevenir o que chama degenocídio da população separatista, depois que as tropas deSaakashvili tentaram retomar a Ossétia do Sul. Moscou afirmou ainda que encontrou documentos de cidadãosnorte-americanos na zona de conflito. Putin disse que suspeitade que isso seja uma prova de que Washington influenciou nadeflagração do conflito. Washington disse que a suspeita é"completamente falsa". (Por Denis Dyomkin)

REUTERS

02 de setembro de 2008 | 17h22

Tudo o que sabemos sobre:
GEORGIARUSSIAEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.