Rússia minimiza atuação de submarino perto dos EUA

Moscou afirmou que qualquer movimento de embarcações está de acordo com práticas internacionais normais

AE-DJ,

05 de agosto de 2009 | 17h45

A Rússia minimizou, nesta quarta-feira, 5, uma reportagem afirmando que submarinos russos haviam retomado patrulhas perto da costa dos Estados Unidos. Moscou afirmou que qualquer movimento de suas embarcações é legal e está de acordo com as práticas internacionais normais.

 

"As atividades dos submarinos russos nos oceanos do mundo fora de suas próprias águas não violam a lei marítima internacional e estão de acordo com a prática normal", afirmou uma fonte diplomático-militar à agência de notícias ITAR-TASS.

 

O jornal The New York Times divulgou mais cedo que dois submarinos de propulsão nuclear russos estavam patrulhando a costa leste dos EUA nos últimos dias. A ação seria a primeira do tipo nos últimos anos e teria causado apreensão em alguns funcionários norte-americanos, segundo o diário.

 

A Rússia comumente marca sua posição sobre assuntos internacionais através de fontes não identificadas na mídia estatal. As três principais agências de notícia russas divulgaram reações quase idênticas à reportagem do jornal norte-americano, citando uma fonte diplomático-militar anônima.

 

"A Marinha russa sistematicamente nota a localização de submarinos da Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte), incluindo submarinos da Marinha dos EUA, em direta proximidade das águas territoriais da Federação Russa", notou a fonte, segundo a Interfax. "Isso, contudo, nunca foi motivo para se fazer um grande barulho na imprensa", disse a fonte. "Consequentemente, qualquer histeria em um caso do tipo é inapropriada."

 

Os despachos das agências nem confirmam nem negam que submarinos russos estejam patrulhando perto dos EUA. A fonte e outros especialistas afirmam nos textos que Moscou não comentará publicamente a movimentação dos submarinos. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
submarinosEUARússia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.