SAIBA MAIS-Gabinete de Obama começa a tomar forma

O presidente-eleito dos EUA, Barack Obama, anunciou oficialmente na segunda-feira os nomes de Timothy Geithner como secretário do Tesouro e de Lawrence Summers para a direção do Conselho Econômico Nacional, definindo assim dois dos cargos mais aguardados do seu gabinete. Eis algumas pessoas que Obama já escolheu ou estaria cogitando. A maioria ainda está sendo avaliada e todas precisam ser confirmadas pelo Senado antes da posse. SECRETÁRIO DO TESOURO * Timothy Geithner, presidente do Federal Reserve (Banco Central) de Nova York, será o principal responsável por administrar a atual crise econômica. Ele está diretamente envolvido nos esforços para o resgate do setor e defende um marco regulatório unificado para os bancos mais importantes do sistema financeiro global. A indicação foi confirmada por assessores da transição no fim de semana, e na segunda-feira foi tornada oficial por Obama, segundo quem ele trará para o cargo "uma compreensão sem paralelo da nossa atual crise econômica." CONSELHO ECONÔMICO NACIONAL * Lawrence Summers, 53, foi secretário do Tesouro no último ano e meio do governo Clinton. Há meses assessora Obama, ajudando-o a preparar uma resposta ao colapso financeiro global. Inflamado e às vezes ríspido, Summers se tornou professor titular de Harvard aos 28 anos, e mais tarde foi reitor da universidade, onde seu estilo lhe rendeu muitos inimigos, até renunciar, em 2006. Era o principal concorrente de Geithner para o Tesouro. Sua nomeação foi confirmada na segunda-feira. Ele também é cogitado como substituto do presidente do Fed, Ben Bernanke, a partir de 2010, quando termina seu mandato no BC dos EUA. SECRETÁRIA DE ESTADO * Hillary Clinton, senadora e ex-adversária de Obama nas primárias, já teria aceitado o cargo, segundo o jornal The New York Times. Um assessor dela disse que a notícia é prematura, mas acrescentou que as conversas com Obama estão "em curso". Ex-primeira-dama dos EUA, ela construiu uma carreira política própria. Analistas dizem que sua indicação pode sinalizar uma política externa relativamente dura, e lembram que Hillary, ao contrário de Obama, relutou durante a campanha em propor um cronograma para a desocupação do Iraque. Sua nomeação deve ser confirmada depois do feriado prolongado do Dia de Ação de Graças, no dia 27. SECRETÁRIO DE COMÉRCIO * Bill Richardson, governador do Novo México, deve ser o indicado, segundo a imprensa norte-americana. Ex-embaixador dos EUA na ONU e ex-secretário de Energia do governo de Bill Clinton, Richardson apoiou Obama depois de retirar a sua própria pré-candidatura a presidente. Seria o primeiro hispânico no primeiro escalão do governo Obama. SECRETÁRIO DE SAÚDE E SERVIÇOS HUMANOS * Tom Daschle, ex-líder no Senado, apoiou Obama desde o início da campanha e já foi escolhido para o cargo, segundo fontes democratas. Caberá a ele comandar a reforma da saúde pública. A escolha de um político tão importante indica que Obama vai priorizar o cumprimento da sua promessa de dar plano de saúde para 46 milhões de norte-americanos que hoje estão descobertos. ASSESSOR DE SEGURANÇA NACIONAL * James Jones, general da reserva do Corpo de Marines, ex-comandante operacional da Otan, é o mais cotado para ser assessor de segurança nacional da Casa Branca. Ele é muito respeitado por republicanos e democratas, mas evita ligações partidárias. Sabe-se que criticou duramente a forma como o governo Bush lidou com a guerra no Iraque - a qual descreveu como uma "debacle", em depoimento citado em um livro do jornalista Bob Woodward em 2006. * James Steinberg, que foi assessor-adjunto de Segurança Nacional no governo de Bill Clinton, também estaria sendo cogitado. SECRETÁRIO DE JUSTIÇA * Eric Holder, ex-subsecretário de Justiça no governo de Bill Clinton, aceitou a proposta para o cargo, mas ainda depende de uma sondagem quanto à aceitação bipartidária do seu nome, segundo fontes democratas. Ele deu consultoria jurídica à campanha de Obama e ajudou a selecionar pré-candidatos a vice para ele. SEGURANÇA INTERNA * Janet Napolitano, governadora do Arizona, pode assumir o Departamento de Segurança Interna, criado após os atentados de 11 de setembro de 2001. "Ela está no páreo, pode ser a favorita", disse uma fonte democrata à Reuters. Napolitano, 50 anos, foi procuradora federal no Arizona e secretária de Justiça do Estado, o que lhe dá experiência em questões de Justiça e polícia. Como governadora de um Estado vizinho ao México, também está muito envolvida em questões migratórias, as quais se encontram sob a jurisdição do Departamento de Segurança Doméstica. SECRETÁRIO DE DEFESA * Robert Gates, secretário de Defesa de George W. Bush desde 2006, é considerado uma voz moderada dentro do governo republicano e pode representar um sinal de continuidade. * Chuck Hagel, senador democrata por Nebraska, dá consultoria de política externa a Obama e critica a guerra do Iraque. * Richard Danzig, consultor de segurança nacional de Obama e secretário da Marinha no governo Clinton. Tem sido citado pela imprensa como possível secretário ou subsecretário de Defesa. SECRETÁRIO DE AGRICULTURA * Tom Vilsack, ex-governador de Iowa, advogado especializado em energia, recursos renováveis e agronegócio. * Kathleen Sebelius, governadora do Kansas em segundo mandato. Participou ativamente da campanha de Obama e chegou a ser cotada como candidata a vice. * Charles Stenholm, ex-parlamentar democrata pelo Texas. Foi produtor de algodão antes de chegar ao Congresso, onde acompanhou questões agrícolas até perder a eleição de 2004 em seu distrito. (Reportagem de Caren Bohan, Andrew Quinn, Jeff Mason em Washington)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.