SAIBA MAIS-Obama fala sobre economia e segurança no '60 Minutes'

Em sua primeira entrevista longa concedida depois da vitória na eleição de 4 de novembro, o presidente eleito dos EUA, Barack Obama, ao lado da mulher Michelle, falou sobre a crise econômica e questões de segurança no programa "60 Minutes", do canal CBS, no domingo. Leia abaixo alguns trechos da entrevista. SOBRE A CRISE HIPOTECÁRIA "Nós não nos concentramos tanto quanto gostaria na questão da execução de hipotecas e no que está acontecendo com os proprietários de imóveis. Temos os instrumentos para fazer isso. Temos de organizar uma negociação entre os bancos e os devedores, de forma que as pessoas consigam ficar em suas casas. Isso terá um impacto na economia como um todo. "E, como vocês sabem, uma coisa que estou determinado a fazer é o seguinte: se não tivermos um programa focado nos proprietários de imóveis quando eu tomar posse, vou fazer isso depois de assumir o cargo." SOCORRO PARA AS MONTADORAS DE VEÍCULOS "Precisamos providenciar ajuda para a indústria automobilística. Mas acho que não podemos dar-lhe um cheque em branco. Então, minha esperança é de que, ao longo da próxima semana, as discussões entre a Casa Branca e o Congresso ocorram em torno de uma ajuda, mas garantindo que isso seja condicionado à elaboração de um plano conjunto por parte dos trabalhadores, gerentes, fornecedores, credores e acionistas, um plano sobre como tornar sustentável a indústria automobilística dos EUA. Assim, criaremos uma ponte de financiamento para algum lugar e não uma ponte de financiamento para lugar nenhum." DÉFICIT ORÇAMENTÁRIO "Não deveríamos nos preocupar com o déficit do próximo ano ou mesmo com o déficit do ano seguinte. No curto prazo, o mais importante é que evitemos uma recessão profunda." REGULAMENTAÇÃO DO SETOR FINANCEIRO "Essa é uma prioridade máxima. Acho que temos de retomar o sentimento de confiança, transparência, abertura em nosso sistema financeiro." BAÍA DE GUANTÁNAMO "Eu disse várias vezes que pretendo fechar Guantánamo. E vou fazer isso. Eu disse várias vezes que os EUA não torturam, e vou tomar medidas para garantir que não torturemos ninguém." IRAQUE "Assim que tomar posse, vou convocar o Estado-Maior, meu aparato de segurança nacional, e vamos colocar em andamento um plano que diminuirá o número de soldados norte-americanos estacionados lá."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.