Sandy ameaça Costa Leste dos EUA; fecha escolas, mercados e empresas

De acordo com meteorologistas, tempestade vai causar grandes inundações enquanto se dirige para o interior dos EUA

MICHAEL ERMAN E JOHN MCCRANK, Reuters

29 de outubro de 2012 | 07h36

O furacão Sandy, uma tempestade gigantesca que ameaça a Costa Leste dos Estados Unidos, avança para a região mais densamente povoada do país nesta segunda-feira, 29, forçando centenas de milhares de pessoas a procurar lugares elevados e provocando a interrupção do transporte público e o fechamento de escolas, empresas e departamentos do governo.

Cerca de 50 milhões de pessoas a partir do Meio-Atlântico ao Canadá estão no caminho da tempestade, que os meteorologistas dizem que pode ser a maior de todos os tempos a atingir os EUA continental. Espera-se que o furacão derrube árvores, danifique edifícios e cause quedas de energia generalizadas ao longo dos próximos dias.

Sandy, que matou 66 pessoas no Caribe e provocou chuvas fortes em áreas costeiras e neve em altitudes mais elevadas, vai causar grandes inundações enquanto se dirige para o interior dos EUA, de acordo com os meteorologistas.

Os sites de serviços de meteorologia indicavam na noite de domingo, 28, que a tempestade vai atingir a costa de Nova Jersey na noite desta segunda, 29.

Katrina. Apesar de Sandy não ter a mesma força do furacão Katrina, que devastou Nova Orleans em 2005, seus ventos avançam por cerca de 835 quilômetros a partir do centro, o que faz dele um furacão gigantesco, disseram os meteorologistas.

Nova York e outras cidades suspenderam os sistemas de transporte e fecharam escolas. A população foi instruída a abandonar áreas de baixa altitude antes de uma elevação do nível do mar que poderia chegar a até 3,4 metros.

Todos os mercados de ações dos EUA ficarão fechado nesta segunda-feira e, possivelmente, na terça, informou a operadora da bolsa de Nova York na noite de domingo, invertendo um plano anterior de manter a negociação eletrônica funcionando nesta segunda.

Sandy também forçou o presidente Barack Obama e o adversário republicano, Mitt Romney, a cancelarem alguns eventos de campanha, e há temores de que o furacão possa perturbar a votação antecipada --algo incentivado pelos candidatos este ano mais do que nunca-- antes da eleição em 6 de novembro.

A Organização das Nações Unidas (ONU), os teatros da Broadway, cassinos de Nova Jersey, escolas e vários eventos corporativos também estão sendo suspensos em consequência do furacão.

Meteorologistas disseram que o furacão Sandy é uma rara "super tempestade" híbrida, criada por uma corrente de vento do Ártico envolvendo-se em torno de uma tempestade tropical, podendo causar até 30 cm de chuva em algumas áreas, assim como até 90 cm de neve nas Montanhas Apalaches.

(Reportagem adicional de Edith Honan, Humer Caroline, Thomasch Paulo e McGurty Janet, em Nova York; Barbara Goldberg, em Nova Jersey; Cherry Gene, na Carolina do Norte; Warner Dave, na Filadélfia; Tom Hals, em Milford, Delaware; Mary Ellen Clark e Udoma Ebong, em Connecticut)

Tudo o que sabemos sobre:
SANDYfuracão sandy

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.