Sargento dos EUA é declarado culpado por matar civil no Iraque

Militar, de 23 anos, teve o agravante de premeditação retirado pelo jurado militar

Agência Estado e Associated Press,

02 de agosto de 2007 | 19h36

Um chefe de pelotão dos fuzileiros navais dos Estados unidos foi declarado culpado de assassinato não premeditado nesta quinta-feira, 2.   O sargento Laurence G. Hutchins III, de 23 anos, foi acusado de matar um iraquiano na povoação de Hamdania, durante a busca sem resultados por um insurgente. Ele havia sido acusado de assassinato com premeditação, mas o jurado militar retirou o agravante.   Hutchins III também foi declarado culpado de formação de quadrilha para matar, mentir em uma declaração oficial e roubo. Foi absolvido das acusações de seqüestro, assalto e invasão de residência.   Não existe sentença mínima obrigatória para o assassinato sem premeditação. A sentença máxima é prisão perpétua sem direito a liberdade condicional.   Hutchins III escutou a sentença em pé, com o olhar para a frente, em uma corte onde reinava o silêncio.   A vítima foi arrastada da sua casa em abril de 2006 e fuzilada em uma vala. Perto da vítima foi deixado um fuzil AK-47, para lhe dar um aspecto de insurgente, informaram os procuradores.

Tudo o que sabemos sobre:
Estados UnidosIraqueLaurence Hutchins

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.