Scanners corporais em aeroportos dos EUA vão eliminar imagem nua

Um novo programa para fazer a revista corporal de passageiros em aeroportos americanos vai eliminar as imagens de corpos nus, anunciou na quarta-feira a Administração de Segurança nos Transportes (TSA), respondendo a uma preocupação pública importante.

REUTERS

20 de julho de 2011 | 17h17

Depois de queixas de passageiros, a TSA começou neste ano a testar em quatro aeroportos um programa para os scanners de corpo inteiro que traça um contorno genérico do corpo, destacando áreas em que seja detectada qualquer anomalia e eliminando a imagem real do passageiro.

O uso dos scanners de corpo inteiro pela TSA vem aumentando desde dezembro de 2009, quando um nigeriano a bordo de um voo transatlântico teria tentado detonar uma bomba escondida em sua cueca.

A bomba não explodiu por completo, mas desencadeou uma corrida para intensificar a segurança de modo a detectar explosivos escondidos sob roupas.

As atualizações dos programas empregados nos scanners corporais de onda de 241 milímetros, produzidos pela L-3 Communications, vão começar a ser usadas nos próximos meses nos 40 aeroportos que empregam os aparelhos.

"Essa atualização no programa nos permite continuar a garantir um alto grau de segurança por meio de revistas feitas com tecnologia avançada de imageamento, e, ao mesmo tempo, melhorar a experiência dos passageiros nos aeroportos", disse John Pistole, administrador da TSA.

(Reportagem de Jeremy Pelofsky)

Tudo o que sabemos sobre:
EUAAVIACAOSEGURANCASCANNERS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.