Se Hillary for eleita, Clinton será garoto-propaganda dos EUA

Ex-presidente afirma que quer usar sua imagem para restaurar a posição dos Estados Unidos no mundo

Reuters,

05 de outubro de 2007 | 14h15

O ex-presidente dos Estados Unidos Bill Clinton afirmou nesta sexta-feira, 5, que poderá atuar como promotor da imagem dos EUA pelo mundo caso sua mulher Hillary se torne presidente.  Indagado sobre o papel que poderia exercer se sua mulher se tornar presidente, Clinton falou: "Eu seria mais útil a ela se fizesse algo para tentar restaurar a posição da América no mundo, fomentar mais aliados e trabalhar juntos de novo." Bill Clinton destacou que sabe quem vai mandar se Hillary chegar a presidência. "No final, ela tomará suas decisões sozinha, assim como eu fazia quando era presidente", disse ele. "Ela será uma ótima presidente, e eu serei a pessoa mais feliz do mundo se ela puder se eleger", acrescentou. Clinton disse ainda que o governo americano "desperdiçou" o amplo apoio global que recebia após os ataques de 11 de setembro de 2001. "Houve um período após o 11 de setembro em que decidimos agir por conta própria, uma abordagem 'à minha maneira ou de maneira nenhuma', que acho que realmente levou boa parte do mundo a se afastar de nós", disse ele à rádio BBC. Uma nova pesquisa de opinião Washington Post/ABC News indicou que Hillary Clinton está ganhando a dianteira em relação a seus rivais democratas para a indicação à candidatura presidencial, tendo 53% de apoio, contra 20% para o senador Barack Obama e 13% para John Edwards.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAeleições

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.