Secretário de Justiça dos EUA defende interrogatório da CIA

Mukasey afirma que o método 'waterboarding' já não é utilizado pelo organismo de espionagem americano

Efe,

30 de janeiro de 2008 | 02h13

O secretário de Justiça dos Estados Unidos, Michael Mukasey, afirmou nesta terça-feira, 29, que todos os métodos utilizados pela CIA (Agência Central de Inteligência americana) nos interrogatórios de supostos terroristas são legais. Em carta dirigida a Patrick Leahy, presidente do Comitê de Assuntos Judiciais do Senado, Mukasey também assinalou que um desses métodos, conhecido como "waterboarding", já não é utilizado pelo organismo de espionagem americano. No "waterboarding", o prisioneiro fica deitado, enquanto é despejada água sobre sua cabeça, que fica coberta por um tecido. Esta prática, que causa a sensação de afogamento, foi declarada ilegal pela CIA e o Pentágono em 2006. "As técnicas de interrogatório autorizadas no programa da CIA cumprem a lei. O 'waterboarding' não é usado, e não pode ser usado no atual programa", disse Mukasey. Em sua carta, o secretário de Justiça americano indicou que como este método não é utilizado, ele não comentaria sobre sua legalidade. "Compreendo que o senhor e outros membros do comitê possam pensar que devo responder a perguntas sobre a legalidade dessa prática. Mas não acredito que tenha a responsabilidade, como secretário de Justiça, de dar uma resposta", indicou Mukasey. "Acho que não é uma pergunta fácil. Há circunstâncias em que a lei parece proibir claramente o uso do 'waterboarding'. Em outras circunstâncias, o assunto seria muito menos claro", afirmou. O método se tornou um obstáculo para a confirmação de Mukasey no cargo, em outubro do ano passado. Nessa ocasião, Mukasey não definiu a prática como tortura, alegando que não estava familiarizado com os documentos que descrevem o processo nem com os argumentos jurídicos. Analistas judiciais assinalaram que se Mukasey admitisse que o método é ilegal, poderia ser aberta uma porta para acusar agentes da CIA que participaram de interrogatórios de supostos terroristas após os atentados de 11 de Setembro.

Tudo o que sabemos sobre:
EUACIA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.