Seis corpos são encontrados carbonizados na Califórnia

Incêndio já dura seis dias e fez pelo menos 12 vítimas; clima ajuda nos trabalhos dos 9 mil bombeiros

Reuters e Associated Press,

26 de outubro de 2007 | 07h38

Patrulheiros de fronteira americanos descobriram quatro corpos carbonizados em montanhas próximas à fronteira com o México e dois em uma casa em San Diego, elevando o provável número de vítimas fatais dos incêndios na Califórnia para 12, no momento em que os bombeiros passaram a controlar a maioria dos incêndios no Estado.   Veja também: Incêndios deixam 1 milhão de desabrigados Bush viaja para avaliar catástrofe  Chamas ameaçam mansões de famosos Incêndios atrapalham filmagens de seriados Reportagem da CBC (YouTube) Reportagem da Midwest Television (YouTube)   Os patrulheiros encontraram os restos de três homens e uma mulher nas montanhas a leste de San Diego, cerca de 16 quilômetros a oeste da fronteira com a cidade mexicana de Tecate, informou o porta-voz da patrulha de fronteira, Matthew Johnson.   "Parece que (as mortes) estiveram relacionadas aos incêndios", disse ele, acrescentando que os corpos das vítimas serão levadas às autoridades locais para identificação e investigação.   Somado a outros dois corpos queimados encontrados em uma casa no Condado de San Diego, a descoberta dobra o provável número de mortos em conseqüência dos incêndios. Pelo menos 52 bombeiros e outras 30 pessoas ficaram feridas.   Ao mesmo tempo em que os bombeiros controlavam a maioria dos focos de incêndio, o presidente George W, Bush visitou a área atingida pelas chamas e classificou o incidente de "terrível devastação".   Bush, muito criticado pela reação federal ao furacão Katrina em 2005, sobrevoou San Diego de helicóptero ao lado do governador californiano, Arnold Schwarzenegger, e também visitou bairros incendiados.   "Realmente é importante que eu venha aqui e veja em primeira mão a situação, e não há dúvida de que muita gente está sofrendo, e não há dúvida de que houve prejuízos terríveis", disse o presidente   Cerca de 2.000 casas foram destruídas ou danificadas desde domingo, quando os incêndios começaram na metade sul do Estado.   "Esses incêndios estão entre os piores desastres na história da Califórnia, e o presidente e eu acabamos de dar uma volta pelo desastre de partir o coração", disse Schwarzenegger.   Na frente de combate às chamas, 9.000 bombeiros aproveitam a redução dos ventos quentes, conhecidos como Santa Ana, mas temem que a brisa marinha volte a alimentar o fogo. "Ainda não estamos fora de perigo por causa do vento", disse o bombeiro Es Berliner.   Os incêndios começaram depois que os ventos superaram 130 quilômetros por hora. Eles devastaram cerca de 2.000 quilômetros quadrados de uma região que já havia registrado seu verão mais seco na história.   O Condado de San Diego sofreu prejuízos de aproximadamente US$ 1 bilhão, e três dos maiores incêndios continuam, a maioria no leste do condado, a parte menos habitada.

Tudo o que sabemos sobre:
CalifórniaincêndiosEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.