Efe
Efe

Senado aprova Sotomayor para a Suprema Corte dos EUA

Sonia Sotomayor é a primeira pessoa de origem hispânica a ocupar o cargo no país

06 de agosto de 2009 | 16h20

A maioria dos senadores norte-americanos votaram nesta quinta-feira, 6, pela confirmação da juíza Sonia Sotomayor para a Suprema Corte dos EUA. Sotomayor é a primeira pessoa de origem hispânica a ocupar o cargo.

 

Veja também:

lista Perfil: Sonia Sotomayor, latina do Bronx que reflete sonho americano

 

A indicação de Sotomayor, de origem porto-riquenha, foi aprovada com 68 votos a favor e 31 contra.  Apenas representantes da oposição republicana tentaram impedir a nomeação da magistrada, que teve sua imparcialidade jurídica questionada por senadores do partido.

 

A magistrada é a primeira indicação do presidente Barack Obama para a Suprema Corte. Ela é a 111ª pessoa a ocupar uma vaga na corte e a terceira mulher a fazê-lo. Sonia deve assumir o cargo no sábado, em uma cerimônia privada aberta apenas para seus familiares. Haverá em seguida um segundo juramento, comandado pelo presidente da Suprema Corte, John Roberts, com a presença da mídia e de amigos.

 

O Presidente Barack Obama disse, sobre a nomeação de Sotomayor, "com essa votação histórica, o Senado afirmou que a juíza Sotomayor tem o intelecto, o temperamento, a história, a integridade e a independência de pensamento para servir habilmente a mais alta corte de nossa nação."

 

A juíza substituirá David Souter, um liberal indicado por um presidente republicano. Sotomayor não deve mudar a balança ideológica da corte. Souter estava entre a ala liberal dos juízes, que nos últimos anos normalmente perdia por 5 votos a 4 para os conservadores.

 

Sonia, 55 anos, é considerada por seus simpatizantes como uma moderada, que atua estritamente sob a lei. Os críticos a veem como uma liberal que permite que sentimento pessoais interfiram em seus julgamentos. Ela enfrentou uma dura sabatina no Comitê Judicial do Senado, que questionou seus pontos de vista sobre vários temas, indo das questões raciais e aborto a até lei antitruste. Os democratas consideram histórica a decisão de Obama indicar Sonia e enfatizam a sua longa carreira como promotora pública e desembargadora. Mas os republicanos concentram-se em acusações de que ela poderá ser tendenciosa nas decisões.

 

Ao se oporem a Sotomayor, os republicanos se arriscam a sofrer alguma retaliação do eleitorado hispânico, minoria que mais cresce nos Estados Unidos.

 

Sonia recebeu na quarta-feira, 5, o apoio de alguns republicanos, ainda que três quartos do bloco opositor vote contra sua nomeação no Senado. Como conta com o apoio dos democratas, a juíza tem votos suficientes para ser confirmada, já que o grupo tem maioria na casa.

 

Os democratas retrataram Sonia como experiente, ponderada e destacam seus 17 anos como juíza. Também elogiam muito a história de vida da juíza. Filha de porto-riquenhos, Sonia cresceu em um conjunto habitacional para pobres, no Bronx, foi diagnosticada com diabetes aos 8 anos e perdeu o pai aos 9. Sua mãe lutou para que Sonia e o irmão fizessem faculdade.

 

O processo de confirmação de Sonia, porém, mostrou fortes divergências entre os senadores. As divisões devem permanecer conforme outros cargos na Suprema Corte ficam vagos - pelo menos mais um magistrado deve deixar a corte durante o mandato de Obama. Apesar das restrições dos republicanos, os democratas viram a nomeação como histórica para o país. Eles advertiram os rivais sobre a possibilidade de perder apoio entre os hispânicos, ao se oporem à confirmação de Sonia.

 

"Quando ela pousar sua mão sobre a Bíblia e jurar no cargo, o novo retrato dos membros da Suprema Corte claramente refletirá o que nós somos como nação, em que acreditamos como pessoas honestas, justas e auspiciosas", disse Robert Menendez, o único senador hispânico do país.

 

A Suprema Corte é o árbitro final na Justiça norte-americana, e decide sobre temas que vão do aborto à pena de morte e direitos civis. Atualmente, o tribunal conta com cinco conservadores e quatro juízes considerados liberais. O cargo de titular da Suprema Corte é vitalício ou dura até o período em que o juiz decidir se aposentar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.