Senado dos EUA bloqueia medida para permitir gays no Exército

Sob política 'don't ask, don't tell', homossexuais não podem servir abertamente desde 1993

AP,

21 de setembro de 2010 | 18h02

WASHINGTON- O Senado americano bloqueou por 56 a 43 votos nesta terça-feira, 21, uma medida que tornaria inconstitucional a lei que proíbe homossexuais de servirem abertamente nas Forças Armadas do país, conhecida como "don't ask, don't tell" (não pergunte, não diga, em tradução livre).

 

A proposta também autorizaria US$ 726 bilhões em gastos de defesa, incluindo um aumento do salário das tropas. Senadores democratas vincularam o veto à legislação a autorização dos gastos com esperanças de que os republicanos hesitassem em bloquear a medida, o que não aconteceu.

 

Agora, defensores dos direitos dos homossexuais estão preocupados por terem perdido uma chance para mudar a lei. Se os democratas perderem cadeiras no Senado nas próximas eleições, será ainda mais difícil - senão impossível - que a política "don't ask, Don't tell" seja alterada no ano que vem.

 

Três democratas, entre eles o próprio líder do partido do senado, Harry Reid, votaram ao lado de republicanos para bloquearem a medida.

 

Cerca de 13.000 pessoas foram afastadas do serviço militar desde que a lei entrou em vigor, em 1993. Embora a maioria tenha se retirado por sua própria vontade, grupos que defendem os direitos gays afirmam que a medida tem sido usada por militares vingativos que acusam colegas de serem homossexuais. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.