Senado dos EUA corta verbas para projeto antimísseis de Bush

Painel cortou US$ 85 milhões e US$ 54 milhões de fundo adicionais de escudo que gerou polêmica com russos

Associated Press,

12 de setembro de 2007 | 19h18

Um painel no Senado americano votou nesta quarta-feira, 12, para reduzir o dinheiro de um planejado sistema de defesa antimísseis na Europa, tornando mais provável que o projeto seja novamente atrasado. O painel cortou pelo menos US$ 85 milhões do pedido da Casa Branca para o sistema antimísseis, que provocou forte polêmica com o governo da Rússia. A Câmara dos Representantes também aprovou o corte de US$ 85 milhões e realizou outro corte de US$ 54 milhões de um fundo adicional. Não está claro ainda se o Senado aprovou um corte ao fundo adicional.  O corte definido pelo painel do Senado ainda precisa ser aprovado pelo plenário inteiro, antes de ir para a Casa Branca e ser sancionado pelo presidente George W. Bush. Se a versão corrente no Senado for aprovada, afetará de maneira significativa o desenvolvimento do projeto que prevê a construção de dez silos de mísseis interceptores na Polônia, mais um sistema de radar na República Checa. O projeto antimísseis de Bush prejudicou a relação dos Estados Unidos com a Rússia, que alega que o sistema tem na mira não o Irã, mas Moscou. Os russos dizem que o sistema irá abalar o equilíbrio nuclear atualmente existente entre Moscou e Washington. Muitos congressistas democratas criticam o sistema de defesa antimísseis. Segundo eles, o sistema não conterá mísseis balísticos, ou intercontinentais. Além disto, dizem que o sistema prejudicou as relações com a Rússia. Baker Spring, analista em segurança nacional na Heritage Foundation, diz que o corte afetará a construção dos silos na Polônia e atrasará o projeto.

Tudo o que sabemos sobre:
Escudo AntimíssilEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.