Senado dos EUA derruba emendas a acordo nuclear com a Rússia

Restrições defendidas por republicanos poderiam forçar uma nova negociação do Start com Moscou

Reuters,

20 de dezembro de 2010 | 23h32

WASHINGTON- O Senado americano derrubou nesta segunda-feira, 20, três emendas que poderiam ter prejudicado o tratado de redução de armas nucleares assinado com a Rússia, o Start. A Casa Branca espera que o acordo seja aprovado antes do recesso de Natal dos parlamentares.

 

Senadores republicanos tentavam alterar o pacto para permitir mais inspeções, emprego de mais mísseis e para forçar negociações sobre armas nucleares táticas. Porém, os democratas, que controlam a casa, facilmente derrubaram as emendas propostas.

 

Uma mudança no tratado o levaria por água abaixo, forçando uma renegociação com a Rússia. O chanceler russo, Sergei Lavrov, afirmou hoje em entrevista à agência Interfax  que emendas seriam uma quebra de acordo, dizendo que o tratado "não pode se tornar assunto de novas negociações".

 

"A Casa Branca acredita que antes que o Congresso entre em recesso, o Senado vai ratificar o novo tratado Start", disse o porta-voz da Casa Branca, Robert Gibbs.

 

Em abril, os presidentes Barack Obama e Dmitri Medvedev assinaram o novo Tratado de Redução de Armas Estratégicas (Start, na sigla em inglês), que estabelece a redução dos arsenais de ambos os lados para um total de ogivas variando entre 1.500 e 1.675. O tratado deve ser aprovado pelo Senado americano e pela Duma, a Câmara baixa do Parlamento russo, antes de entrar em vigor.

 

Os republicanos argumentam que o acordo vai restringir a defesa de mísseis dos EUA e não fornece procedimentos adequados para verificar se a Rússia está cumprindo os termos do tratado.

 

Os democratas temem que, se a ratificação for adiada para o próximo ano, possa enfrentar dificuldades maiores, porque a maioria democrata no Senado será menor devido aos avanços obtidos pelos republicanos nas eleições parlamentares do início de novembro.

Tudo o que sabemos sobre:
EUARússianuclearSenadoStart

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.