Senador dos EUA pede rapidez no trâmite para sua sucessão

Edward Kennedy sofre com câncer no cérebro e está preocupado com voto de Massachusetts no Senado

Efe,

20 de agosto de 2009 | 13h59

O senador democrata Edward Kennedy, de 77 anos , que padece de câncer no cérebro, pediu ao governo dos EUA e à legislatura de Massachusetts que abreviem o trâmite para a designação de seu sucessor no Congresso dos Estados Unidos, informou o jornal Boston Globe nesta quinta-feira, 20.

 

"Em um momento crítico do debate nacional sobre o sistema de saúde, Kennedy pediu ao governador Daval Patrick, aos dirigentes do Senado e a Câmara de Representantes que mudem a lei de sucessão para assegurar que Massachusetts não esteja sem um voto no Senado", indicou o jornal.

 

Segundo o Boston Globe, Kennedy fez esse pedido em cartas pessoais enviadas a Patrick, à presidente do Senado de Massachusetts, Therese Murray, e ao presidente da câmara baixa estadual, Robert DeLeo. "Kennedy pede que as autoridades escolham alguém temporariamente antes que os eleitores elejam um novo senador em uma eleição especial", acrescentou o jornal.

 

Kennedy dedicou boa parte de sua longa carreira política, com oito períodos no Senado dos EUA, à luta por mudanças no sistema de assistência da saúde. Seu voto será crucial se nas próximas semanas o Congresso de EUA decide sobre a reforma do sistema, promovida pelo presidente Barack Obama.

 

Em sua carta, acrescentou o diário, Kennedy indica que apoia a atual lei de sucessão senatorial em vigor desde 2004 e que reconhece que é dos eleitores o poder para designar um Senador. Mas acrescenta que "o Estado e o País necessitam os dois senadores de Massachusetts".

 

Sob a lei atual, se Kennedy falecer ou renunciar, os eleitores elegeriam seu sucessor em uma eleição especial dois meses depois da data em que sua cadeira fique vaga. A lei, entretanto, não estipula como estará representado o estado de Massachusetts no Senado nesse período.

Tudo o que sabemos sobre:
SenadoEUApolítica

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.