Senador Rubio diz que não há votos suficientes para reforma imigratória ampla nos EUA

O pré-candidato à Presidência dos Estados Unidos pelo Partido Republicano Marco Rubio disse que ainda é favorável a uma reforma completa no sistema de imigração do país, mas que aceitou a necessidade de uma abordagem passo a passo no Congresso pois, segundo ele, "não temos os votos para aprovar" uma mudança profunda na lei.

REUTERS

17 de maio de 2015 | 18h05

Rubio, senador pelo estado da Flórida, afirmou ao "Fox News Sunday" que atualmente existem menos votos no Congresso favoráveis a uma reforma detalhada no sistema de imigração do que há dois anos, quando trabalhou ao lado dos democratas no Senado para ajudar a aprovar um projeto que incluia uma opção legal à cidadania para aqueles que estão no país de forma ilegal.

A proposta morreu na Câmara dos Deputados em meio à oposição dos conservadores. Rubio, que enfrentou críticas da direita por seu trabalho no projeto de lei no Senado, agora apoia um enfoque gradual que começaria com um sistema maior de segurança na fronteira. 

"Ainda acredito que precisamos realizar uma reforma na imigração", disse Rubio, filho de imigrantes cubanos. "O problema é que não podemos realizá-la a partir de um único grande projeto de lei. Os votos não existem" na Câmara, disse ele. 

Rubio é um dos seis republicanos que competem pela nomeação do partido para as eleições presidenciais de novembro de 2016, e espera-se que outros nomes também se juntem ao pleito.

Alguns críticos acusaram Rubio de se distanciar da opção pela reforma profunda na imigração para apaziguar os ânimos dos conservadores, que desempenharão papel importante nas primárias presidenciais dos republicanos. Quando perguntado por que não lutaria por uma reforma integral, Rubio se limitou a dizer que estava lidando com a realidade política.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAIMIGRACAORUBIOREFORMA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.