Senador Ted Kennedy deixa hospital em Massachusetts

Veterano democrata recebe alta após ser diagnosticado com tumor cerebral na terça-feira

Associated Press e Efe,

21 de maio de 2008 | 15h55

O senador americano Edward Kennedy, um dos veteranos de maior destaque do Partido Democrata, recebeu alta nesta quarta-feira, 21, do hospital onde estava internado, um dia após ter sido diagnosticado com um tumor cerebral maligno, anunciaram fontes médicas. Veja também:Senador Edward Kennedy é diagnosticado com câncer cerebral O senador, de 76 anos, foi internado no sábado no Hospital Geral de Massachusetts, após sofrer convulsões em sua casa de Cape Cod. A equipe médica que acompanhou a evolução do quadro do senador informou nesta quarta que Kennedy "se recupera surpreendentemente rápido" da biópsia que diagnosticou que o tumor que atingia o paciente era maligno. Os médicos disseram ainda que o senador terá que esperar pelos resultados de novos exames para determinar as opções de tratamento, enquanto se recupera em sua casa durante este fim de semana de feriado prolongado do Memorial Day (homenagem aos militares americanos mortos enquanto serviam a pátria) nos Estados Unidos. Aplaudido, Kennedy saiu caminhando do Hospital Geral de Massachusetts, ao lado de sua mulher Vicki, de um de seus filhos e seus dois cachorros. Vicki Kennedy disse a seus amigos que o diagnóstico foi "um golpe duro de assimilar", e que deixou a família atordoada, apesar de seu marido brincar e rir com eles. "Como de costume, Teddy está conduzindo a situação com calma, para obter a melhor saída possível", escreveu na segunda-feira a esposa do senador, em um e-mail dirigido a seus amigos. O tratamento habitual contra esse tipo de tumor é feito com radiação e quimioterapia, disseram os médicos, que, no entanto, só decidirão como agir após a realização de mais exames. Caso o tumor seja muito agressivo, a esperança de vida é de menos de 12 meses, mas se seu crescimento for mais lento, a sobrevida é de até cinco anos. Os médicos afirmaram que Kennedy - que foi uma peça na campanha do senador Barack Obama nas primárias de seu partido - não sofreu mais convulsões desde sua internação, e passou os últimos dias de "bom humor, e cheio de energia". Sua grave doença comoveu a maioria dos Estados Unidos e, em especial, a classe política do país. Robert Byrd, senador democrata da Virgínia Ocidental, e o que está há mais tempo no Senado (Kennedy é o segundo) não pôde conter as lágrimas ao ser informado da notícia. Byrd, de 90 anos, sussurrava: "Querido amigo, Ted Kennedy. Mantenham-no aqui, por nós e pelos Estados Unidos." Kennedy, que está no Senado desde 1962, foi submetido em outubro a uma operação para desobstruir uma artéria na região do pescoço. O veterano político é o único sobrevivente dos quatro filhos homens de Joseph e Rose Kennedy. O mais velho, Joseph, morreu em um acidente aéreo durante a Segunda Guerra Mundial; o ex-presidente John F. Kennedy foi assassinado em 1963 e o terceiro, Robert, foi morto em 1968.

Tudo o que sabemos sobre:
Ted KennedycâncerEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.