Shopping de Omaha reabre com segurança extra após massacre

O prefeito Mike Fahey saudou os compradores e disse aos lojistas que a cidade os apóia neste momento crítico

Associated Press,

08 de dezembro de 2007 | 13h28

Com segurança reforçada e consumidores fazendo fila na porta, o shopping center Westroads reabriu neste sábado, três dias depois de um jovem armado ter matado oito pessoas em seu interior, antes de cometer suicídio.   A loja onde o massacre teve lugar, a Von Maur, permaneceu fechada. Uma porta-voz disse que não há previsão de reabertura.   Do lado de fora do shopping, perto da entrada da praça de alimentação, esperavam duas vans da Cruz Vermelha e uma unidade do Exército de Salvação.   Fitas de segurança do shopping, divulgadas na sexta-feira, mostram o assassino Robert Hawkins entrando na Von Maur na quarta-feira, saindo e retornando cerca de seis minutos depois, segurando o ventre - como se tivesse algo escondido debaixo da camisa - e se dirigindo aos elevadores.   A polícia não divulgou as imagens do terceiro andar, onde Hawkins abriu fogo. Mas uma imagem congelada do vídeo  mostra Hawkins com as mangas arregaçadas, fazendo mira com o rifle AK-47.   O prefeito Mike Fahey saudou os compradores e disse aos lojistas que a cidade os apóia neste momento crítico das compras de fim de ano. O shopping é seguro, disse o prefeito. "Temos muitos policiais de serviço, e eles ficarão de serviço o tempo todo".   A rede Von Maur, que opera lojas por todo o Meio-Oeste americano, disse ter estabelecido um fundo em memória das vítimas do tiroteio e para o socorro das famílias, e convidou o público a fazer doações.   A polícia diz que Hawkins, de 19 anos, fez mais de 30 disparos dentro do shopping lotado, atingindo 11 pessoas. Seis morreram ao ser baleadas, uma, a caminho do hospital e outra, após 45 minutos de atendimento hospitalar de emergência.

Tudo o que sabemos sobre:
omahamassacre

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.