Site pessoal de juiz tinha imagens pornográficas nos EUA

Alex Kozinski preside julgamento sobre pornografia; após descoberta, ele suspende temporariamente o processo

Efe,

12 de junho de 2008 | 05h51

Um juiz da Califórnia que preside um julgamento sobre pornografia suspendeu temporariamente o processo, após a descoberta de que tinha postado conteúdo sexual explícito em seu próprio site na internet, informou nesta quarta-feira, 11, o jornal Los Angeles Times. O juiz Alex Kozinski, de 57 anos, e chefe da nona Corte de Apelações dos EUA, situada em Pasadena (Califórnia), tinha postado fotografias e vídeos obscenos em seu site pessoal, dentre os quais se destacava um em que um homem seminu aparecia em um contexto sexual com um animal. O magistrado optou por adiar até a próxima segunda-feira a segunda sessão do julgamento contra o empresário do ramo cinematográfico Ira Isaacs, iniciado nesta quarta, pela acusação de distribuição de filmes de forte conteúdo pornográfico. Entre as acusações que pesam contra Isaacs, de 57 anos, estão a importação e o transporte de material obsceno para sua venda, que podem lhe valer um máximo de 20 anos de prisão. Kozinski, por sua parte, que havia se mostrado disposto a se afastar do caso, desistiu devido ao fato de que o julgamento já havia começado, e o júri havia assistido a três dos filmes de Isaacs. "Não vou fazer nenhuma declaração. O julgamento está em andamento", disse Kozinski ao deixar o tribunal. Segundo o Los Angeles Times, o site de Kozinski, atualmente fora do ar, incluía imagens de masturbação, sexo em público e até mesmo um striptease de um transexual. Em declarações ao jornal, o juiz afirmou que achava que o conteúdo de seu site pessoal não estava ao alcance de todos os usuários da rede, e que não considerava que as imagens fossem obscenas.

Mais conteúdo sobre:
EUApornografia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.