Thomas Peter/Reuters
Thomas Peter/Reuters

Sobreviventes de Hiroshima e Nagasaki criticam Obama

Sobrevivente de ataque nuclear americano ao Japão diz que discurso de presidente no Nobel é contraditório

Efe,

11 de dezembro de 2009 | 09h39

Os sobreviventes japoneses das bombas atômicas de Hiroshima e Nagasaki manifestaram hoje sua decepção pelo discurso do presidente americano, Barack Obama, ao receber ontem o Prêmio Nobel da Paz, quando defendeu a necessidade de ir à guerra em ocasiões específicas.

Veja também:

mais imagens Fotos: Imagens da cerimônia em Oslo

especial Especial:A trajetória de Barack Obama

"Obama admitiu o uso da força enquanto defende um mundo sem armas nucleares, por isso seu diálogo é contraditório", disse Kazushi Kaneko, de 84 anos, que é diretor-geral da organização de pessoas afetadas pelos efeitos das bombas atômicas em Hiroshima.

Durante seu discurso em Oslo (Noruega), o presidente americano defendeu tanto a luta em guerras "necessárias", como sua recente decisão de aumentar o número de tropas no Afeganistão.

Nove dias antes de receber o Nobel da Paz, Obama anunciou o envio de mais 30 mil soldados para a guerra no país da Ásia Central e também a data para o início da retirada das tropas, em julho de 2011.

"Um movimento não violento não poderia ter detido os exércitos de Hitler. As negociações não podem convencer os líderes da Al-Qaeda de que devem depor as armas", lembrou o presidente americano, ressaltando que "dizer que a força é às vezes necessária não é um apelo ao cinismo. É reconhecer a história".

Hideo Tsuchiyama, ex-reitor da Universidade de Nagasaki e especialista em políticas para a redução do armamento nuclear, também criticou as palavras de Obama.

"Percebi a intenção do presidente de justificar o envio de mais tropas ao Afeganistão", disse o ex-reitor.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.