Matt Dunham/AP
Matt Dunham/AP

Soldado acusado de ajudar WikiLeaks vai a audiência judicial

Manning é suspeito de ter fornecido milhares de documentos militares e diplomáticos para o site

REUTERS

16 de dezembro de 2011 | 09h46

WASHINGTON - Um analista de inteligência do Exército acusado de promover o maior vazamento de documentos sigilosos na história dos EUA compareceu nesta sexta-feira, 16, à primeira audiência de um processo que pode resultar na sua condenação à prisão perpétua.

O soldado Bradley Manning, que completa 24 anos no sábado, é suspeito de ter fornecido no ano passado centenas de milhares de documentos militares e diplomáticos divulgados pelo site WikiLeaks. Os textos mostravam opiniões francas - e eventualmente constrangedoras - de funcionários norte-americanos sobre outros países, e o governo norte-americano disse que o vazamento pôs em risco a segurança nacional.

As audiências de instrução do processo devem ir até o dia 23. Uma das acusações contra Manning é a de "ajudar inimigos" dos EUA. Nem a defesa nem a promotoria revelaram a estratégia a ser usada, mas os promotores esperam reunir evidências suficientes para submeter o soldado a julgamento numa corte marcial geral, sob 22 acusações.

Em nota, o Exército disse que Manning pode ser condenado à prisão perpétua, redução de patente e exoneração com desonra, além de perder benefícios financeiros.

A acusação de auxílio ao inimigo poderia acarretar a pena de morte, mas o Exército sinalizou que não pretende solicitá-la,

Manning foi detido em maio de 2010, no Iraque, inicialmente sob suspeita de ter se apropriado indevidamente de um vídeo que mostrava o ataque de um helicóptero que matou 12 pessoas no Iraque, inclusive dois jornalistas da Reuters, em 2007.

As acusações adicionais foram imputadas no começo deste ano.

A audiência de instrução acontece sob forte esquema de segurança no quartel Fort Meade, em Maryland, onde fica a sede da Agência de Segurança Nacional.

Simpatizantes do soldado planejam manifestações na sexta-feira e no sábado, e participantes do movimento anticapitalista Ocupe Wall Street prometem aderir. Os apoiadores de Manning o veem como um herói, e alguns consideram que a divulgação dos documentos sigilosos, falando abertamente sobre a corrupção em diversos países, contribuiu para as revoltas da Primavera Árabe no Oriente Médio e Norte da África.

Manning foi descoberto depois de se gabar das suas atividades ao ex-hacker Adrian Lamo, que o denunciou às autoridades, segundo relato de Lamo à Reuters.

Lamo diz que o soldado levava para o trabalho um CD regravável de música, que ele apagava e usava para guardar documentos sigilosos aos quais tinha acesso na qualidade de analista de informação na 2a Brigada da 10a Divisão de Montanha, estacionada no Iraque.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAWIKILEAKSSOLDADO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.