Soldado dos EUA é processado por homicídios de civis afegãos

O primeiro de 12 soldados dos EUA processados por crimes no Afeganistão se apresentará nesta segunda-feira a um tribunal militar que decidirá se o caso deve ser levado a uma corte marcial. Os crimes incluem o assassinato de civis e até mesmo a profanação de cadáveres, para que partes dos corpos fossem guardadas como troféus de guerra.

LAURA MYERS, REUTERS

27 de setembro de 2010 | 10h04

O soldado Jeremy Morlock, 22, do Alasca, é acusado pelo homicídio doloso de três civis afegãos, por agredir um colega e por "ilegalmente fotografar e possuir imagens visuais (sic) de vítimas".

Uma porta-voz militar disse às Reuters no domingo que essas imagens "não foram divulgadas (...) ao público por enquanto". Acredita-se que elas possam causar ampla indignação, complicando os esforços dos EUA para dominar a insurgência no Afeganistão, que segue a pleno vapor após nove anos de guerra.

Documentos divulgados neste mês por promotores militares dizem que os crimes ocorreram entre janeiro e março deste ano na província de Kandahar.

Cinco soldados foram indiciados pelos homicídios em junho, e outros sete foram desde então acusados de participação ou acobertamento nos crimes.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAAFEGANISTAOSOLDADO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.