Soldado dos EUA se declara culpado de uso indevido de informações no caso WikiLeaks

O soldado norte-americano acusado de fornecer mensagens diplomáticas e outros documentos secretos à organização WikiLeaks se declarou culpado nesta quinta-feira de mau uso de material classificado, mas rejeitou a acusação mais grave em julgamento militar, indicando que não ajudou o inimigo.

MEDINA ROSHAN, Reuters

28 de fevereiro de 2013 | 21h57

O soldado Bradley Manning, de 25 anos, apresentou estas declarações antes de comparecer diante de uma corte marcial, que começa em 3 de junho, num caso que incide sobre o maior vazamento de documentos secretos na história dos Estados Unidos.

A juíza militar Denise Lind aceitou as declarações de culpabilidade durante a tarde. Manning se declarou culpado de uma série de 10 acusações menores por uso indevido de informação classificada e enfrenta uma pena máxima de 20 anos de prisão.

"Acredito que se o público em geral...tivesse acesso à informação...isso poderia iniciar um debate nacional sobre o papel do Exército e a política externa em geral", disse Manning diante da juíza encarregada da audiência.

Durante a leitura de um comunicado de 35 páginas enquanto permanecia sentado ao lado de seus advogados, o jovem descreveu seus sentimentos depois de apresentar informação secreta ao WikiLeaks.

"Senti que tinha feito algo que me permitiria ter a consciência limpa", afirmou Manning, que falou sob juramento durante mais de uma hora.

"Este era o tipo de informação...que deveria ser tornada pública", acrescentou.

Na audiência, Manning se declarou inocente da acusação mais grave, a de ajudar o inimigo, através de seu advogado. O soldado, que está preso há mais de mil dias, poderia pegar prisão perpétua se condenado por ajudar o inimigo.

Manning, um militar de inteligência do Exército, foi preso em maio de 2010 enquanto estava em uma missão no Iraque e foi acusado de vazar milhares de documentos, telegramas diplomáticos e vídeos de combates para o WikiLeaks.

Manning admitiu as acusações de posse não autorizada de documentos e distribuição de informação das redes de dados combinadas das forças norte-americanas sobre Iraque e Afeganistão. Disse que os textos que enviou ao WikiLeaks eram "dois dos mais significativos documentos de nossa era".

A organização ativista começou a expor os documentos secretos do governo dos EUA em 2010, deixando assombrados diplomatas de todo o mundo e desatando a fúria das autoridades norte-americanas, que disseram que o dano causado pelo vazamento de informação colocaria em perigo as vidas de seus cidadãos.

Tudo o que sabemos sobre:
EUASOLDADOWIKILEAKS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.