Soldados tomam ruas da Geórgia após estado de emergência

Soldados isolaram nesta quinta-feira aregião central de Tbilisi, depois que o presidente da Geórgia,Mikhail Saakashvili, declarou um estado de emergência e ofechamento da imprensa independente para combater seis dias deprotestos antigoverno. Líderes da oposição disseram que suspenderam os protestospara evitar mais feridos. Mais de 550 manifestantes passarampor hospitais na quarta-feira, depois que o governo mobilizouesquadrões antichoque para lidar com eles, usando gáslacrimogêneo e balas de borracha. "Não sabemos onde metade dos líderes da oposição está, elesforam dispersados", disse um líder dos protestos e ex-ministrodas Relações Exteriores Salome Zurabishvili à Reuters. O presidente justificou as ações da polícia declarando quea vizinha Rússia estava alimentando a confusão no país. Eleexpulsou três diplomatas russos da Geórgia. As escolas e universidades foram fechadas até a próximasemana e os protestos, restritos. Saakashvili enfrenta sua pior crise desde que subiu aopoder em uma revolução pacífica, em 2003. Aliado próximo dosEstados Unidos, ele tentou apresentar seu país, um ex-Estadosoviético, como um bastião da democracia e estabilidade navolátil região do Cáucaso -- imagem agora abalada. Os opositores do presidente criticam-no por seu estiloautoritário, que não permite dissidentes, por abusos aosdireitos humanos e por não conseguir lidar com a pobreza e odesemprego.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.