Subsecretário dos EUA defende escudo antimísseis único

Daniel Fried defende escudo que integraria instalações americanas, russas e da Otan

Efe,

11 de agosto de 2007 | 17h30

O secretário de Estado adjunto dos Estados Unidos, Daniel Fried, defendeu neste sábado, 11, a idéia de um único escudo antimísseis na Europa, que integraria instalações americanas, russas e da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan).   Veja também: Putin anuncia uso de programa de defesa antiaérea até 2015   "A melhor variante seria criar um só sistema coordenado e transparente a fim de reforçar a segurança de todas as partes", disse Fried à televisão do Azerbaijão, onde está de visita.   O secretário de Estado americano referia-se à união dos planos americanos de instalar radares na República Tcheca e interceptores na Polônia e a proposta dos russos de compartilhar com a Otan a estação de radar azerbaijana de Gabalá e outra na localidade de Armavir, no sul da Rússia. "Não se trata de uma simples discussão, mas de avançar de maneira construtiva", acrescentou.   O subsecretário antecipou que a próxima rodada de negociações entre EUA e Rússia ocorrerá em setembro entre os ministros de Exteriores e de Defesa dos dois países (secretário de Estado e chefe do Pentágono no caso americano) "no formato 2+2".   A Rússia quer que os americanos interrompam seus planos enquanto os dois países mantêm conversações, das quais Moscou deseja que os países da Otan participem.   O Kremlin acredita que a instalação de radares e mísseis interceptores na República Tcheca e na Polônia é uma "ameaça direta" à sua segurança.   Por enquanto, as propostas russas de compartilhar a estação de radar de Gabalá, localizada perto da fronteira do Irã, e a de Armavir, próxima ao Cáucaso, não foram recebidas com entusiasmo na Administração americana.   O presidente russo, Vladimir Putin, que tinha advertido de que os planos de Washington não ficariam sem resposta, suspendeu em meados de julho por decreto a aplicação do tratado de Forças Convencionais na Europa (CFE), considerado a pedra angular da segurança no continente.   Além disso, a aviação estratégica militar russa retomou esta semana os vôos regulares nos céus sobre as águas do Atlântico e do Pacífico, chegando até a ilha americana de Guam, exercícios que estavam suspensos desde 1991.

Tudo o que sabemos sobre:
Escudo antimísseis

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.