Suicídios no Exército dos EUA atingem maior marca desde 1991

O número de suicídios ocorridosdentro do Exército dos EUA alcançou seu nível mais alto desde aGuerra do Golfo, revelou na quinta-feira dados divulgados pelosmilitares. O Exército registrou 99 casos confirmados de suicídio em2006, ou 12 a mais do que o número do ano anterior. Osmilitares ainda citaram duas mortes como sendo prováveissuicídios, apesar de os médicos legistas não terem confirmadoesse fato ainda. Segundo o Exército, serviram de causa para os suicídiosrelacionamentos malsucedidos, "problemasoperacionais/ocupacionais" e problemas legais e financeiros. Em relação ao número total de soldados dos EUA, o Exércitoregistrou 17,3 suicídios por cada 100 mil soldados em 2006,incluindo duas mortes ainda sob investigação. Em 2005, essacifra havia sido de 12,8 por cada 100 mil. No ano passado, 30 dos 99 suicídios confirmados aconteceramem zonas de guerra, segundo os dados. Neste ano, até agora, 44 soldados tiraram a própria vida,entre os quais 17 estacionados ou no Iraque ou no Afeganistão. O número de suicídios em 2006 é o maior desde 1991, ano daGuerra do Golfo, quando 102 soldados norte-americanos semataram. Mais de 1,5 milhão de soldados dos EUA passaram pelo Iraquee pelo Afeganistão desde 2001. O Exército, maior braço dasForças Armadas norte-americanas, enfrenta uma grande pressãodevido a seu envolvimento em várias operações. Os dados sobre o suicídio aparecem depois de uma série deestudos mostrando um aumento no número de problemas mentaissurgidos entre os soldados e outros militares dos EUA. Segundoesses estudos, as Forças Armadas não têm fornecido apoiopsicológico adequado a seus integrantes.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.