Reprodução
Reprodução

Papai Noel de shopping é suspeito de assassinatos em série no Canadá

Homem de 66 anos é acusado de matar pelo menos 5 pessoas da comunidade gay no Canadá

O Estado de S. Paulo

12 Fevereiro 2018 | 21h00

Bruce McArthur, um paisagista de 66 anos e principal suspeito de uma série de assassinatos contra membros da comunidade LGBT de Toronto, no Canadá, trabalhava como Papai Noel em um shopping da cidade, segundo informações da CNN e confirmadas pelo próprio Agincourt Mall.

De acordo com o comunicado do shopping, “McArthur foi contratado por meio de uma companhia de administração de eventos que providencia vários tipos de atrações na região metropolitana de Toronto”. O estabelecimento ainda afirma que “não há incidentes registrados por clientes, lojas ou funcionários da época em que ele trabalhou no shopping”.

O caso de McArthur chocou a cidade canadense após a sua prisão em 18 de janeiro, acusado de matar dois homens, de 43 e 44 anos. Porém, desde então, a investigação só cresceu e aponta para um assassino em série, já que, dias depois, a acusação contra ele já havia subido para cinco assassinatos de primeiro grau. 

+ Avião cai na região de Moscou e os 71 a bordo morrem

Já na semana passada, pedaços de pelo menos seis corpos diferentes foram encontrados em vasos de plantas de uma casa em que o paisagista trabalhava. Suspeita-se de que todas as vítimas eram membros da comunidade gay de Toronto.

+ Orçamento aprovado pelo Congresso dos EUA eleva déficit a US$ 1,2 trilhão

“Está ficando cada vez maior e conseguimos mais recursos à medida que avançamos. Devemos ter uma longa investigação pela frente”, afirmou o detetive responsável pelo caso, Hank Idsinga, ao The Guardian. Ele ainda confirma que mais acusações devem surgir contra o suspeito de 66 anos.

+ Leia mais notícias internacionais no Estadão

O modo de operar do assassino ainda não está claro, mas suspeita-se que ele encontrava suas vítimas em aplicativos de encontros gays. Como ele ainda viajava a trabalho, a polícia de Toronto conta com a contribuição de outras forças policiais no Canadá e até em outros países, segundo o detetive.

“Nós estendemos nossas condolências às famílias e amigos das vítimas destes crimes horrendos”, conclui o comunicado do shopping em que McArthur serviu como Papai Noel.

Mais conteúdo sobre:
homofobia

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.